Aparte
Jozailto Lima

É jornalista há 38 anos, poeta e fundador do Portal JLPolítica. Colaboração Tanuza Oliveira.

Dubiedade no caso André X PMDB: Jucá diz uma coisa para Sergipe e outra para Brasília
Compartilhar

Romero Jucá: sinuca de bico em nome de André Moura

Por trás da história de que o deputado federal André Moura, PSC, “está sendo convidado pela direção nacional do PMDB” a assumir o comando deste partido em Sergipe e a expulsar Jackson Barreto e seus companheiros, há outros quinhentos. Os companheiros de André propagam que ele virá “passando por cima de tudo”.

Num vídeo mandado para Sergipe nesta quarta-feira a partir do que escrevera esta coluna sobre este tema - “André Moura vai tomar o PMDB de Jackson; e vem para mandar” -, o presidente do PMDB, Romero Jucá, faz um discurso protocolar em favor de André, mas não ataca os peemedebistas do Estado.

“Nós queremos fortalecer o PMDB de Sergipe. Ele preenche todas as condições de disputar uma candidatura majoritária com sinais claros de vitória. Nós queremos ampliar. É claro que isso não é demérito a qualquer membro do partido”, diz Jucá, meio que pisando em ovos e como se estivesse atendendo a uma convocação da assessoria de André.

Uma fonte preciosa da coluna Aparte em Brasília, que transita nos bastidores do PMDB, conta o outro lado dessa história. Traduz com outro foco o tal dos outros quinhentos desse caso. E dessa tradução salta uma clara dubiedade no caso André X PMDB: é como se Jucá dissesse uma coisa para Sergipe e outra para Brasília.

Dubiedade no caso André X PMDB. Jucá: “Se
André quiser entrar, vamos sentar e tentar compor”

Aos fatos. Na segunda-feira, Jucá foi consultado por essa “nossa fonte” sobre a pretensão de André Moura de “tomar o partido no Estado” e sobre o fato de o parlamentar estar falando em nome dele. Jucá “teria negado veementemente”. Disse que recebeu apenas uma solicitação de André, que estaria querendo entrar no partido.

Jucá admitiu que tinha ouvido falar de que havia alguém pedindo uma intervenção na Executiva Sergipana do PMDB, mas que desconhecia qualquer documento neste sentido. “Ligamos para tudo quando foi gente da Executiva Nacional e ninguém achou este papel”, teria dito Jucá, segundo a fonte.

“Não existe a menor possibilidade. Este assunto já morreu. Se André quiser entrar, vamos sentar e tentar compor. Eu não posso impedir que um deputado federal queira entrar no partido. Fora isso, é especulação”, teria dito Jucá.

Na reunião da Executiva Nacional do PMDB, já na quarta, estava em pauta um pedido de intervenção no Diretório Estadual de Pernambuco para a filiação de um senador e mais quatro deputados federais daquele Estado.

“Você sabe o que é um vespeiro unânime de reação contrária, que deixou Jucá falando sozinho? Todo mundo contra a intervenção? Pois foi este o espírito da reunião”, conta a fonte.

Jucá teria capitulado. Disse que cabia a ale apenas botar o pedido em votação, mas o plenário seria soberano para decidir. O deputado Baleia Rossi, de São Paulo, foi indicado relator do pedido, mas a reunião terminou com todo mundo dizendo que seria contra. Nesta mesma reunião, Jucá falou em Sergipe.

\"\"

André Moura: se
viesse, o viria como
persona non grata

“Quando ele falou em Sergipe, o ministro Leonardo Picciani pegou o microfone e descascou em cima de André: “Olhe, presidente, quero lhe dizer aqui que nós não aceitamos ingerência de ninguém de fora do PMDB. O deputado André está falando em seu nome lá em Sergipe, dizendo que você o convidou para presidir o PMDB de lá. Nós não vamos aceitar isso”, revela a fonte.

E continua: “Aí foi quando Jucá saiu pela tangente: “Não, eu não convidei André não. Ele é que está pedindo para entrar. Não há pedido de intervenção do PMDB do Estado de Sergipe e não vai acontecer””. Aí todos os demais Estados se posicionaram dizendo que não aceitariam isso”, diz a fonte.

“O que eu quero dizer é que se André viesse, o viria como persona non grata.Ninguém gosta de André Moura dentro do PMDB. Aí ele deve ter ido a Jucá, dito que estava sendo desmoralizado por Jackson Barreto e que não ficava bem por ser líder do Governo. Aí Jucá saiu com esta nota”, diz a fonte.

“E mesmo nesta nota, Jucá não fala de intervenção”, completa a fonte. “Nós temos candidato a governador e a senador, e ambos com potencial grande de vitória. Diferentemente de alguns outros Estado onde o PMDB sequer vai lançar candidato”.

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.