Aparte
Reportagem Especial debate segurança e privacidade na internet

Internet, embora muito útil e necessária, tornou-se ambiente arriscado

Entre 2019 e janeiro de 2020, foram registrados, apenas em Sergipe, 362 crimes cibernéticos: 340 em todo o ano passado e 22 até o dia 28 de janeiro. A maioria deles, 186, é estelionato. O segundo mais recorrente é a invasão de dispositivo informático. A prática tem transformado a internet num ambiente perigoso.

"É muito crescente o número de crimes cibernéticos, não só no Estado, mas no país e no mundo. Com o aumento do acesso à internet, aumentou também o número desse tipo de crime. Então, é muito preocupante, porque eles ocorrem numa velocidade muito grande e o aparato policial, tanto o humano quanto o material, precisa se adequar a essa nova realidade", afirma a delegada Rosana Freitas, da Divisão de Crimes Cibernéticos.

O advogado José Carlos Correia, vice-presidente da Comissão de Direito Digital, Inovação e Tecnologia da Ordem dos Advogados do Brasil em Sergipe - OAB/SE -, confirma. "O avanço tecnológico possibilitou que fossem criadas ferramentas de captura e armazenamento de dados pessoais com uma infinita escalabilidade, eis que por ocorrer essa coleta no ambiente digital, não há limites geográficos, podendo esses dados serem coletados no mundo inteiro", alerta.

A Reportagem Especial, que traz a análise de outros profissionais também, estará disponível no domingo, dia 2, a partir das 20h. "O debate acerca desse assunto é extremamente importante e necessário para que toda a sociedade e as diversas áreas da ciência acompanhem o desenvolvimento tecnológico e o seu impacto social, principalmente em relação à privacidade do indivíduo", ressalta o advogado.