Aparte
Danielle Garcia: “Dar voz à população abandonada pelo poder público não é fake news”

Danielle Garcia: “Minha resposta será continuar dando voz a quem a PMA tenta calar”

A delegada da Polícia Judiciária de Sergipe, Danielle Garcia, pré-candidata à Prefeita de Aracaju pelo Cidadania, não aceita as críticas que fontes do Governo Municipal de Aracaju fazem à sua pessoa na atuação frente à desmontagem da ocupação da Mangabeiras promovida pela Prefeitura Municipal de Aracaju recentemente.

Publicada aqui neste espaço na tarde da última segunda-feira, 3, a nota “PMA vê Danielle Garcia contra as 1.100 casas para os mais pobres e divulgando fake news sobre Mangabeiras”, de autoria desta Coluna Aparte, trazia um duro rechaço de fontes da PMA a vídeos de Danielle Garcia sobre os episódio da Mangabeiras.

Em tom duro, a delegada Danielle Garcia mandou, via sua Assessoria de Comunicação, um texto também rechaçando o conteúdo vazado pela nota. “Toda crítica feita à Prefeitura eles dizem que é fake news. Dar voz à população é fake news. Cobrar transparência é fake news”, acusa Garcia.

“A Prefeitura tem o dever de ser transparente com a população e nós não deixaremos de cobrar isso jamais. Mesmo que eles apelem para ataques pagos com recursos públicos. Já fomos à Justiça e a PMA teve que retirar um post que me atacava. Minha resposta será continuar trabalhando muito e dando voz a quem a PMA tenta calar com propagandas caras”, disse Danielle Garcia no texto. 

Segundo a pré-candidata Danielle Garcia, quanto mais ela aparece pontuando bem nas pesquisas de intenção de votos para a sucessão municipal deste ano em Aracaju, mais se avolumam os ataques à sua pessoa e ao projeto político-eleitoral que ela representa.

“Na tarde de segunda-feira, 3, a Prefeitura Municipal de Aracaju – PMA - usou, mais uma vez, a máquina pública para atacar a pré-candidatura de Danielle. Através da Secretaria Municipal da Assistência Social, a PMA acusou Danielle de disseminar fake news”, diz o texto do release.

“Isso porque a delegada publicou, em suas redes sociais, um vídeo de um ex-morador da ocupação das Mangabeiras mostrando onde estavam ele e algumas famílias após serem retirados de suas casas. Portanto, a pré-candidata deu voz à população e não gerou fake news, como acusa a PMA”, completa o texto.

E retoma: “Fake news é afirmar que “as mais de mil famílias que moravam na ocupação foram colocadas em casas alugadas pela Prefeitura de Aracaju e receberão auxílio-moradia pelos próximos dois anos”, como afirmou em nota a administração municipal. Um documento assinado pela assistente social da PMA, Waleska Sandra de Aragão Azevedo, na segunda-feira, 3 de agosto, comprova que a Prefeitura mentiu ao dizer isso. Ou todas as famílias já foram colocadas em casas alugadas ou o documento entregue a ex-moradores da ocupação é falso”.

“O que a PMA chama de fake news nada mais é que um vídeo divulgado nas redes sociais de Danielle que publiciza a farsa da atual gestão municipal sobre o episódio Mangabeiras. O fato é simples: para não dormirem mais uma noite na rua e na chuva após terem tido suas casas destruídas por máquinas da Prefeitura, algumas famílias ocuparam um prédio abandonado”, continua a defesa da delegada.

“Nesse prédio, fizeram o vídeo divulgado. Eles queriam diálogo com a Prefeitura. Nas ruas, onde o poder público os deixou, eles não tinham esse diálogo. “Dar voz à população abandonada pelo poder público não é fake news”, afirmou Danielle Garcia. Cabe, aqui, lembrar que o texto constitucional reconhece explicitamente como dever do Estado a garantia do direito à moradia. A Constituição de 1988 é clara: “É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios promover programas de construção de moradias e melhoria das condições habitacionais e de saneamento básico””, diz a nota da assessoria da pré-candidata.

O texto da Assessoria de Comunicação vai dizer ainda mais: “Tratar cidadão como “supostas pessoas”, como disse uma das notas da PMA, é a clara descrição de como a atual gestão trata a população aracajuana. Não existem “supostas pessoas”; existem pessoas reais e uma situação real de abandono. Sobre outro vídeo da ocupação das Mangabeiras, a Prefeitura acusa ter sido datado de forma errada nas redes de Danielle Garcia. A PMA novamente tenta distorcer a realidade e, assim, manipular a população. O vídeo não fala em data, nem diz que foi na semana da desocupação. O vídeo mostra como os moradores foram abandonados pelo poder público durante anos. A realidade sem filtro e com a transparência que falta ao poder público”. 

E arrematará: “Nas últimas duas décadas, o atual prefeito Edvaldo Nogueira esteve fora do poder por cerca de quatro anos. Portanto, se milhares de aracajuanos “estavam esquecidos pelo poder público”, como afirma a PMA em suas notas oficiais, ele tem parte da responsabilidade nesse esquecimento. Por respeito ao cidadão aracajuano, por princípios pessoais e pelos valores que conduzem sua trajetória de vida, Danielle Garcia garante que seguirá dando voz a quem não tem. E, ao esclarecer os fatos, ela reforça seu compromisso com a transparência e a verdade”.