Aparte
Jozailto Lima

É jornalista há 37 anos, tem formação pela Unit e é fundador do Portal JLPolítica. É poeta.

Jackson Barreto vê governistas fazendo sucessor de Belivaldo Chagas em 2022
Compartilhar

Jackson Barreto: “Não tem esta história de fadiga. Não tem nenhum cansaço”

O ex-governador Jackson Barreto, MDB, disse à Coluna Aparte na manhã desta quarta-feira, 20, que vê “grandes chances” de o agrupamento político a que pertence fazer o próximo governador de Sergipe no ano que vem, em 2022. Ele descartou qualquer perspectiva de cansaço, ou de fadiga, do eleitorado diante do fato de a futura eleição tentar ser vencida pela quinta vez por um mesmo segmento político sergipano.

“Não tem esta história de fadiga não. Não tem nenhum cansaço. A sabe por que? Porque tivemos uma série de governadores aí, de Déda a Belivaldo, passando por mim, que nunca foram envolvidos em nenhum desmando, em nenhum desrespeito ao erário. Em  nenhum desrespeito aos interesses da sociedade”, disse Barreto.

Esse período cobrirá 16 anos da vida política e de gestão pública de Sergipe - de 2007 a 2022. Marcelo Déda se elegeu governador em 2006, tendo Belivaldo Chagas, então PSB, por vice-governador, e se reelegeu em 2010, agora trazendo Jackson Barreto como vice.

Em 2 de dezembro de 2014, Déda faleceu, vítima de um câncer. Jackson, obviamente, assumiu a titularidade do Governo e se reelegeu no mesmo ano, trazendo de novo Belivaldo como vice. Em 2018, Jackson deixou o Governo com Belivaldo, que se reelegeu, tendo Eliane Aquino, viúva de Déda, como vice-governadora.

Belivaldo não deixará o Governo de Sergipe em mãos de Eliane Aquino em 2022. Portanto, se Belivaldo Chagas fizer o sucessor dele será o quinto governador consecutivo de uma mesma linhagem ideológica e administrativa no comando de Sergipe, um Estado que tem empobrecido a olhos nus nas duas últimas décadas.

“Eu nem abro discussão sobre as chances de fazermos o próximo governador. Eu acho que em 2022 nós teremos as boas condições políticas tanto na capital quanto no interior de Sergipe, basta ver a reeleição agora em 2020 de Edvaldo Nogueira, que é o melhor exemplo que podemos usar para essas possibilidades”, diz Jackson.

“Todos nós desse agrupamento participamos do projeto de reeleição de Edvaldo Nogueira e, como se viu, ele foi muito bem votado. Olhemos para o governador Belivaldo Chagas: ele está trabalhando no sentido de resolver as dificuldades econômica e financeira que o Estado estava vivenciando, conseguiu pagar décimo terceiro, está dando atenção ao problema das rodovias, está passando muito bem pela pandemia do coronavírus, e tudo isso são fatores que credenciam bem o Governo. Temos que analisar também outro aspecto: em contrapartida, o que é que a oposição tem feito? O que é que se visualiza hoje de oposição no Estado de Sergipe, o que até nisso estaríamos em benefício”, reforça o ex-governador.

Apesar dessa visão positiva, o ex-governador Jackson Barreto não tem ainda um desenho do que ele pessoalmente vai disputar ano que vem - embora fale-se muito num mandato de deputado federal. “Não terei nenhuma decisão de candidatura ou de filiação partidária que não passe por uma conversa com o governador Belivaldo Chagas”, pondera Jackson Barreto.

“Mas lhe garanto que não quero ficar de fora do processo eleitoral de 2022. Não falo agora de espaço majoritário e nem de proporcional, porque se eu falar disso estarei decidindo sozinho. As minhas decisões pessoais para 2022, no campo de disputa eleitoral e de filiação partidária, passam por uma conversa com o governador Belivaldo Chagas. Não digo hoje que sou candidato a qualquer coisa e nem que não sou. Quero participar ao lado do governador e de todo esse grupo que nos representa e que representamos”, chancela.

Mas pode deixar o MDB pelo PSD? “Posso sim. Tudo é possível, e vai depender dessa conversa com Belivaldo. Não terei nenhum propósito ou objetivo que não passe por uma conversa com ele”, responde JB.

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.