Aparte
Jozailto Lima

É jornalista há 38 anos, poeta e fundador do Portal JLPolítica. Colaboração Tanuza Oliveira.

JB ficando no Governo, altera os horizontes de Belivaldo Chagas?
Compartilhar

Jackson Barreto: não deverá disputar o Senado

Sim ou não? Eis a questão. A princípio, está mais para sim do que para não. Mas o texto erra ao começa por aqui - então leia sobre isso mais à frente.

Porque tudo começa por responder à seguinte conjectura: Jackson Barreto permanece no Governo e toca a sucessão, ou se despede do Executivo, passa para Belivaldo e disputa o Senado?

Se ficar, favorece mais do que se sair? Resposta a isso: se ficar, sim, será mais útil. Mas, e se ficar, será mesmo Belivaldo Chagas o candidato ao Governo? Há dúvidas.

Botando rumo nesta prosa: a coluna Aparte vem se convencendo a cada dia de que Jackson Barreto termina seus dias de governador em 31 de dezembro de 2018.

E é? É. Mas por que? Primeiro, porque JB tem dado sinais de que o Senado não é lá mais o seu sonho de Ícaro. Ao contrário.

JB acha que já voou demais e que agora é hora de apascentar as asas. Viver o seu sonho no chão. Olhar o próprio rosto com descanso, e à cara dos seus - irmãos, sobrinhos, aderentes. Viajar mais. Viver.

Outro dia recente, num evento informal, a manga de camisa, ele formulou a este colunista o seguinte raciocínio: iria à eleição de senador com 74 anos.

Se eleito, teria mandato até o ano 2026. Ou seja, até os 82 anos. E aí ele sepecou a seguinte pergunte: “Será que eu quero mesmo isso para mim?”.

Bem, se não quiser disputar o Senado, seu chão até 31 de dezembro de 2018 será o do Governo de Sergipe.

Há correligionários dele que dizem que os maiores recursos do Proinveste estariam na maturação de investimento exatamente em 2018. E que ele quereria ser o aplicador deles. O executor.

Tem lá lógica. Há quem diga também que JB gosta de ser o “fazedor” de sucessores. Ou de executivos. Fez Wellington Paixão, fez Gama e ajudou ano passado a fazer Edvaldo Nogueira prefeitos de Aracaju. Ajudou a fazer de Déda governador por duas vezes para só depois fazer a si mesmo.

Sim, se JB ficar no Governo altera os horizontes de Belivaldo para algo mais positivo. O vice, se vir a ser ele mesmo o candidato, teria olhos somente para a eleição e não para a eleição e mais para as complexidades do Governo do Estado. No seria - desculpa aí, Belivaldo, a comparação - gato com dois sentidos.

Sobre as dúvidas de se será mesmo Belivaldo Chagas o candidato ao Governo: não é todo o campo magnético de JB que está certo de que o Galeguinho esteja surfando em céu de brigadeiro como o ungido. 

Há os que, sestrosos, tentam colar na aba de Belivaldo o mesmo destino de Zezinho Sobral do ano passado frente à sucessão de Aracaju, quando ele ia ser o candidato de JB e terminou não fondo, com JB optando por Edvaldo Nogueira.

Mas, e em sendo esse o fardo de Belivaldo, a quem JB recorreria para ser o seu novo Edvaldo Nogueira em âmbito estadual? Ah, deixa isso para uma outra coluna. Ai! que preguiça, mano velho Macunaíma!

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.