Aparte
“Não sei se terei o apoio do governador”, diz Aelson Santos, pré-candidato do PSD em Propriá

Para se candidatar a prefeito, Aelson Santos tem o apoio de Fábio Mitidieri e Jeferson Andrade

Vereador pela terceira vez, atual presidente da Câmara Municipal - em quatro mandato - e presidente do Diretório Municipal, Aelson Santos, 53 anos, é o nome do PSD para disputar a Eleição de Propriá como prefeito.

“Exatamente por causa da minha experiência é que hoje me credencio como pré-candidato. Sempre bato na mesma tecla: estou aqui na cidade, vivenciado a necessidade do povo e o que realmente o povo cobra e quer. Como vereador, tenho as minhas limitações, por isso, a candidatura. Está tudo certo para eu ser pré-candidato”, informa Aelson.

Esta será a primeira vez que Aelson se candidata a prefeito. “Estamos dialogando com todas as lideranças. E hoje temos um grupo com vários pré-candidatos filiados, construído ao longo de anos, desde a fundação do partido”, informa Aelson, que é um dos fundadores do PSD em Sergipe e em Propriá.

“Temos o apoio de vários colegas vereadores e de grandes lideranças locais, ex-vereadores e suplentes de vereador. E, claro, o apoio mais importante: o apoio da população”, frisa o pré-candidato. Segundo ele, sua candidatura nasceu da vontade do povo.

Um dos principais apoios de Aelson, evidentemente, vem do seu partido. “Terei o apoio do PSD, e, quando falo PSD, falo de Fábio Mitidieri, o meu líder, de Jeferson Andrade, e do PSD de Propriá”, informa Aelson. Ele deixa claro que não sabe se terá ou não o apoio de um dos principais nomes do PSD em Sergipe, o governador Belivaldo Chagas.

“Não sei se terei o apoio do governador, pois ele não se posicionou. Sabemos que Belivaldo tem uma preferência e até alguns já dizem que é o secretário de Estado da Saúde (Valberto de Oliveira – também pré-candidato a prefeito em Propriá). É um direito que o secretário tem de ser candidato, assim como o governador tem o direito de apoiar quem ele quiser, mas sabendo que o partido dele, o PSD, terá um candidato próprio em Propriá”, afirma Aelson.

Aelson faz questão de lembrar o quanto ajudou o governador se eleger nas eleições de 2018. “Fui coordenador da campanha de Belivaldo Chagas. E um detalhe: fui a primeira liderança a defender o nome de Belivaldo em Propriá, quando ele tinha 3% nas pesquisas. Ninguém acreditava (na vitória)”, relembra.