Aparte
Rede filia muita gente dia 5 e prefixa rigores para aliança com PV

Émerson Ferreira: uma aliança cheia de rigores, como os namoros de antigamente

No próximo dia 5 de dezembro, a Rede Sustentabilidade vai fazer um evento para receber uma série de novos filiados de Sergipe. Tudo com o objetivo de gerar nomes para enfrentar o processo de eleições do ano que vem. Émerson Ferreira, o pré-candidato do partido ao Governo de Sergipe, estima que o evento reúna entre 200 e 300 pessoas.

“Teremos grandes novidades em quantidade e em qualidade. Filiada, teremos grande parte destas 200 a 300 pessoas. Filiáveis, uma outra quantidade”, diz Émerson. Ao mesmo tempo, ele reforça as normas para que a relação pré-pactuada entre Rede e PV de Sergipe para o ano que vem deem certo. “Tem que haver consenso de parte a parte em todas as decisões”, diz.

Assim como a Rede tem a Émerson como um nome já “aclamado”, o PV indica Reynaldo Nunes como pré-candidato ao Senado, com as duas suplência sendo dividias entre as duas siglas, e a vice reservada ao PV.

“O meu nome ao Governo já foi aclamado na Conferência Estadual da Rede no último sábado. No caso do PV, se a gente avançar, lá nas convenções eleitorais iremos então fazer a aliança política para disputar as eleições. Hoje temos aprovado que o candidato ao Governo será nosso, e já há consenso com relação ao meu nome, mas a convenção eleitoral é que vai referendar tudo isso”, diz Émerson.

“Temos, ainda, garantido até agora a construção de um programa de Governo em comum. Nós temos um acordo programático que prevê duas etapas. Na primeira, é a construção desse programa. Para isso, estabelecemos 18 fóruns, mas quando fizemos este acordo, já tínhamos desenvolvido dois. Teremos mais 16. Ainda ontem à noite nós fizemos o fórum de Itabaianinha”, diz Émerson.

“O vice seria do PV e isso vai ser definido no processo. Além disso, teremos quantidades iguais de candidatos a deputado federal e a estadual para cada um, considerando a proporção de gênero. Todos os dois partidos têm que ter a consciência de apresentar nomes para disputar a eleição e não somente para preencher vaga de coeficiente eleitoral”, avisa Émerson.

Rigoroso no modo de tocar a Rede, Émerson Ferreira faz a seguinte advertência para este namoro dar certo. “Todas estas exigências têm de ser cumpridas, senão não tem aliança. Política é diálogo, e tanto a Rede quanto o PV podem conversar com quem quiser. Alguém que procure a Rede para aliança, será recebido e isso será trazido para dentro da Rede. Pode ir adiante nesse diálogo? Pode. Mas aí chamaremos o PV e colocaremos essa intenção. Ninguém será acolhido sem que haja consenso dos dois partidos”, diz.

No campo da filiação, há uma relação de nomes até certo ponto conhecidos de determinados setores, como o médico André Sotero, que foi secretário de Saúde de Aracaju no começo desta gestão de Edvaldo Nogueira; a arquiteta, Ana Libório, que disputou o mandato de vereadora pelo PSB ano passado; Ricardo Lima, presidente da ADCE - Associação dos Dirigentes Cristãos do Estado - e dirigente do Conal; o advogado trabalhista Márcio Dória, o músico Rivando Gois, e o professor Josadac Bezerra, da UFS. “Estes são nomes mais ligados à capital. Mas tem muita gente do interior, como de Monte Alegre, Poço Redondo, Propriá, Neópolis, Santana do São Francisco Canindé”, avisa Émerson.