Aparte
Jozailto Lima

É jornalista há 38 anos, poeta e fundador do Portal JLPolítica. Colaboração Tanuza Oliveira.

Zezinho Sobral vê seu grupo com força, poder e planejamento pra eleger futuro governador
Compartilhar

Zezinho Sobral: “Acreditamos que esse projeto tem tudo para ser vencedor”

Deputado de primeiro mandato, líder do Governo do Estado de Sergipe na Alese e candidato à reeleição no ano que vem, Zezinho Sobral, Podemos, 55 anos, acha que o bloco político do qual faz parte ainda reúne energia, força, poder e, sobretudo, “planejamento” capazes de eleger o quinto governador sergipano seguido em 2022, quando se dará a sucessão do reeleito Belivaldo Chagas, PSD.

Claro que, para isso, pondera Zezinho Sobral, vai ter de apresentar um projeto em favor de Sergipe que convença aos sergipanos - e é esse projeto que o parlamentar vislumbra presente no ano que vem, coordenado por um conselho político presidido pelo governador Belivaldo Chagas, PSD.

“O nosso é um bloco grande, com propostas e resultados importantes a apresentar, e acredito que pode ter mais uma vez sucesso no processo sucessório vindouro. E por que digo isso? Porque é um grupo que tem planejamento, que tem propostas e que em objetivos claros e específicos para apresentar aos sergipanos - e é isso que os sergipanos querem”, teoriza o deputado, que já foi secretário de Estado de duas áreas nobres – Saúde e Agricultura.

E nesses “resultados importantes a apresentar”, Zezinho Sobral só tem olhos positivos para o que foi feito por Sergipe, apesar de algumas críticas para uma certa decadência sergipana. “Efetivamente, o que diminuiu o PIB de Sergipe foi a saída da Petrobras daqui do Estado. A Petrobras começou a retirar-se em 2013 e terminou agora em 2020. Mas alguns políticos críticos esquecem-se de dizer que o que abalou o PIB sergipano em parte da última década foi exatamente essa retirada”, pondera Zezinho.

Na visão de Zezinho, o capitão do bloco que conduz o Estado, o governador Belivaldo Chagas, está levando Sergipe por caminhos certos e seguros, e vai colher “recompensas políticas” por isso.

“A gente não pode esquecer de que Belivaldo Chagas fez muito bem o dever de casa: botou os salários em dia, equilibrou as contas, diminuiu o déficit do Estado e está com um belo programa de recuperação das rodovias e de atração de investimentos para o Estado. Enfim, ele passou dois anos e meios dedicado a arrumar o Estado, que está hoje bem estruturado. Belivaldo foi muito cuidadoso nessa parte, vai fazer bem a transição e já disse que está aqui para isso”, afirma Sobral.

Ou seja, Belivaldo não deixará o Governo do Estado ano que vem para disputar qualquer outro mandato. “Por isso digo que o grupo tem como apresentar esse bom projeto. E qual é o sentimento geral do grupo? Os partidos que compõem o mesmo bloco estão com a ideia conjunta de apresentar essa solução. Aquele for dissidente, obviamente sairá. Mas estou certo de que desde a Alese, na sua Presidência, até os demais deputados, poderes e partidos estão acreditando que esse projeto seja importante e que terá aceitação pela população como vem tendo desde sempre”, completa.

Apesar dessa fala prefixando altas decisões de futuro no seu grupo político, Zezinho Sobral não vislumbra para si uma disputa além da reeleição de deputado estadual. “Estou fazendo o meu trabalho pela reeleição. Meu projeto político é continuar na Alese, ter mais um mandato e só discutir outras possibilidades lá na frente”, diz ele.

“Minha opinião é a de que comigo e com o meu mandato a Alese é uma instituição útil e produtiva. Nessa pandemia, a Alese teve uma produção de leis acima do padrão. Meu trabalho na Alese nesses dois anos e meio foi muito produtivo e muito instrutivo. Eu aprendi muito. Entendo que está na hora de consolidar essa minha presença, essa minha estabilidade no Legislativo Estadual, para só depois pensar em outros projetos e alçar outros voos. Hoje, a minha proposta é contribuir com o projeto do grupo, mas permanecendo na Alese. Eu gosto de Sergipe e prefiro caminhar por aqui”, diz ele, em negação a um projeto de deputado federal.

Zezinho Sobral, que obteve 25.764 votos em 2018, entende como “natural” que de dentro do Poder Legislativo Estadual nasça um desejo de candidatura majoritária desse bloco, com o presidente Luciano Bispo, MDB, ostentando a vontade de ser candidato a vice-governador numa chapa do bloco.

“Luciano Bispo, como presidente, é membro disso, e pode inclusive pleitear a candidatura de vice-governador que ele intenciona. Ele estará no projeto, desempenhando o papel para o qual for escalado. Eu subscrevo o pleito de nós termos um grupo forte, coeso e com um projeto bom para Sergipe, que vem tendo resultados coerentes. A Alese faz parte desse projeto. Eu diria que Luciano Bispo é uma peça importantíssima nesse processo. Agora, qual é o papel que cada um vai desempenhar, em que posição cada um vai jogar o jogo da eleição no ano que vem, quem vai decidir é um conselho político liderado por Belivaldo”, reforça.

“Mas Luciano e eu - e aqui posso falar por nós dois - acreditamos que esse projeto tem tudo para ser vencedor, porque deve ser um projeto que apresente soluções para Sergipe e que tenha possibilidades de ser bem entendido pelo eleitorado, como vendo sendo até agora desde 2006. Estou certo de que essa definição virá muito em função de um projeto concreto e real apresentado por aqueles que apontem a melhor direção para o Estado”, diz Sobral.

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.