Politica & Mulher
Tanuza Oliveira

É jornalista desde 2010, com atuação em veículos impressos e assessorias de comunicação.

Ana Luiza de Carvalho: uma primeira-dama que pediu licença ao “figurino tradicional”
Compartilhar

Ana Luiza: “Tenho que conciliar os divergentes papéis que nós mulheres assumimos numa sociedade”

Advogada e teóloga por formação, Ana Luiza Silva de Carvalho também ocupa, hoje, o posto de primeira-dama do município de Itabaianinha, de onde é secretária de Assistência Social e do Trabalho.

Casada com o prefeito da cidade, Danilo Alves de Carvalho, há sete anos - ao todo, são nove de relacionamento-, ela ganhou o título de primeira-dama em 2017, quando o marido foi empossado prefeito.

“Naquela ocasião,  eu refletia e me questionava, o que faz uma primeira-dama? Eu sabia que o conceito padrão de primeira-dama não me contentaria, não era meu perfil estar em chás e eventos que não envolvessem a vida dos menos favorecidos, pois, antes dessa função, eu estava nos bastidores sendo voz para muitos deles”, diz Ana Luiza.

Por isso, não demorou muito para que ela encontrasse o seu papel ali. “Fiz questão de ir em cada canto de Itabaianinha e conhecer de perto cada problemática social. Hoje, recebo agradecimentos por ter de forma empática segurado na mão e dado direção aqueles  que já estavam sem esperança. Eu sou uma primeira-dama que pedi licença ao “figurino tradicional” e fui lutar com as famílias Itabaianinhenses por uma nova história para a vida das pessoas”, garante Ana Luiza.

Nesses seis anos, ela aprendeu que ninguém faz nada sozinho, que a escuta é valiosa e permite saber onde a dor aperta, pois fazer o que não é necessário é perda de tempo. “Minha  equipe e aliados absorveram essa visão e juntos não perdemos  a oportunidade de escrevermos um novo capítulo nas duras histórias de cada usuário que passa pelo nosso caminho”, ressalta.

Ana Luiza de Carvalho: plantar a semente de esperança na vida

Ana Luiza se considera uma primeira-dama daqueles que perderam a voz - ou se desmotivaram a falar. “Poder ouvir seus problemas e dificuldades me motiva a buscar parcerias para dar soluções e jamais acreditar que aquela situação é impossível de se resolver. Então, com a experiência desses anos, tenho convicção de que ser primeira-dama não é um título ou uma mera função, mas uma grande oportunidade de estar com as pessoas e dizer a elas que podemos juntos construir uma nova realidade”, analisa.

Um dos projetos que ela desenvolveu junto à comunidade foi o “Laços de Amor”, que, segundo a primeira-dama, marcou um grande tempo e propósito, por ser um projeto voltado para mulheres com câncer. “Pudemos acolher e trabalhar os três pilares: alma, corpo e espirito, fortalecendo-as neste momento desafiador”, revela.

Outro projeto significativo foi a “Feirinha Cultural”, voltada à geração de emprego e renda para as famílias mais vulneráveis, cadastradas na Secretaria. “Montamos uma estrutura para que vendessem e demonstrassem o seu produto de forma personalizada, gerando renda e incentivo na divulgação”, lembra.

A Secretaria comandada por ela também promoveu o “Mãos Unidas Contra a Fome” projeto premiado pelo selo ODS. “Em um período pandêmico, pudemos acolher e suprir as necessidades especiais com doações  de cestas básicas para aquelas famílias em risco social”, detalha.

Diversos outros projetos já foram executados pela pasta, que, segundo Ana Luiza, demanda uma rotina árdua. “Tenho que conciliar os divergentes papéis que nós mulheres assumimos numa sociedade, porém é bastante recompensadora, pois permite passar em cada lugar e plantar a semente de esperança na vida das pessoas. Gosto de estar em campo e dividir experiências em  cada visita”, admite.

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.

Claribel
Que exemplo de primeira dama. Que alma linda! Que Jesus continue te abençoando e triplicando esse amor às causas dos menos favorecidos que são os usuários do SUAS.