Politica & Mulher
Tathiane Araújo: uma voz trans de Sergipe para o Brasil

Tathiane em Brasília, ao lado de Nathália Vasconcelos, do Movimento Trans da Capital Federal

“O cenário político atual para minorias é muito preocupante”. Essa é a constatação de Tathiane Araújo, presidente da Rede Nacional de Pessoas Trans. Para Tathiane, as muitas declarações e ideias conservadoras não afligem só à comunidade LGBT, mas a cidadania e a vida de toda população vulnerável.

“Ainda vemos discursos propalando a ideia da mulher subserviente e com menor oportunização. As minorias estão vivendo uma era de resistência”, confirma. “Devemos estar unidos contra toda essa violência, pois somos o país que mais mata a população lgbt, mesmo tendo tratados com organizações internacionais”, acrescenta.

Tathiane é secretária nacional do segmento LGBT do PSB. Eleita partidariamente em março de 2018, ela exerce o mandato até 2021 e pretende amplificar a necessidade de se organizar politicamente a fim de propor a inserção política da comunidade. “Legisladores e gestores têm que entender a necessidade dessa legislação específica e de criação de políticas propositivas”, avalia.

Tathiane revela que mantém pretensões de planejar uma candidatura, mas, segundo ela, no tempo certo. “Respeitando as bases não só do movimento LGBT, mas de outros que também têm um histórico de atuação, já que estou no movimento social há tanto tempo”, pondera. Ela iniciou como presidente do Grêmio da escola Atheneu Sergipense, foi a primeira trans a ser secretária geral da União dos Estudantes Secundaristas – Uses – e, desde então, não parou mais.