Politica & Mulher
PSL de PE lança candidatura laranja de mulher para botar mão em R$ 400 mil

Luciano Bivar: criou, segundo reportagem, uma candidatura laranja

Outro escândalo envolvendo o PSL. Dessa vez, em Pernambuco, onde o aliado do atual presidente Jair Bolsonaro, presidente do PSL e voz direta do governo na Câmara dos Deputados, Luciano Bivar, criou, segundo reportagem da Folha de S. Paulo, uma candidatura laranja e chegou a receber R$ 400 mil de dinheiro público destinado ao partido nas eleições do ano passado.

Com a obrigatoriedade do envio de 30% dos recursos para candidaturas femininas, isso até já era de se esperar, já que os partidos, na prática, não apoiam as candidaturas femininas e as usam apenas para cumprir a legislação. Isso em todo o país.

Lá em Pernambuco, a candidata Maria de Lourdes Paixão, de 68 anos, recebeu a quantia para disputar o mandato de deputada federal. O valor é maior do que recebeu o próprio presidenciável eleito Bolsonaro. Paixão teve apenas 274 votos na disputa, nunca jamais comparável, por exemplo, à deputada Joice Hasselmann, do PSL de São Paulo, que teve mais de 1 milhão de votos.

A reportagem descobriu que, apesar de ter sido agraciada com a terceira maior fatia de verba pública do PSL de Jair Bolsonaro, a candidata foi escolhida para a disputa de última hora para preencher as vagas remanescentes, para preencher a cota de gênero.

Pelo perfil e com a decisão para a escolha da candidatura pelo PSL, com a já esperada baixa votação, a candidata poderia ser considerada laranja para o uso de R$ 400 mil da verba pública do fundo eleitoral.

Para agravar o quadro, o jornal decidiu visitar as gráficas que foram declaradas na prestação de contas de Maria de Lourdes Paixão e todos os indicativos de se tratar de serviços de fachada para uma candidatura laranja foram levantados.

“A Folha visitou os endereços informados pela gráfica na nota fiscal e na Receita Federal e não encontrou sinais de que ela tenha funcionado nesses locais durante a eleição”, informou o jornal.

Luciano Bivar disse ser contra a necessidade de que pelo menos 30% dos candidatos de um partido devem ser mulheres e justificou a afirmação com a seguinte pérola: “você tem que ir pela vocação. Tá certo?”.

E continuou: “se os homens preferem mais política do que mulher, paciência. É a vocação. Se você fosse fazer uma eleição para bailarinos e colocasse uma cota de 50% para homens, você ia perder belíssimas bailarinas. Porque a vocação da mulher para bailarina é muito maior. É uma questão de vocação, querida. Eu não sei como é na sua casa, mas acho que seu pai seria candidato e sua mãe, não. Ela prefere outras coisas, ver o Jornal Nacional e criticar. Do que entrar pra vida partidária. Não é muito da mulher”.