Politica & Mulher
Tanuza Oliveira

É jornalista desde 2010, com atuação em veículos impressos e assessorias de comunicação.

Senadora Maria do Carmo diz que vai trabalhar para que mais sergipanas ocupem o Congresso Nacional
Compartilhar

Maria: “Sou uma presença do partido no Senado Federal, então há um papel de liderança natural que é exercida”

Primeira mulher brasileira – e sergipana – na história da República a ser eleita, consecutivamente, para três mandatos, a senadora Maria do Carmo Alves deixará uma lacuna no já pouco espaço político feminino caso realmente não dispute a reeleição em 2022, como ela afirmou esta semana à Coluna Política & Mulher.

“Eu vou terminar meu terceiro mandato em janeiro de 2023 e vou deixar o Senado com a sensação de dever cumprido, com a sensação de que dediquei meus mandatos a trabalhar por Sergipe. Vou continuar fazendo política, vou continuar ajudando o povo sergipano, mas posso fazer isso sem ocupar um cargo eletivo”, afirma Maria do Carmo. 

Para ela, é grande uma honra ocupar esse espaço na política, mas que não pode mais ser tão restrito. “Sergipe é uma terra de mulheres aguerridas e também muito preparadas. Torço, e também vou me empenhar para isso, que em breve tenhamos mais nomes femininos no Congresso Nacional e na Assembleia Legislativa de Sergipe”, ressalta.

Segundo Maria, com ou sem mandato, ela vai trabalhar para que haja uma representação cada vez maior das mulheres na política. “Porque é grande a contribuição que a mulher tem a dar ao país”, assegura. No entanto, por enquanto, o Democratas vem se organizando nos municípios e se fortalecendo internamente, trabalhando a formação de seus quadros para que tenhamos boas opções para os sergipanos nas próximas eleições.

Ou seja, sem qualquer definição definitiva. “Estamos vivendo um momento dramático no país, que necessita de soluções urgentes, seja na parte sanitária, seja na social ou na econômica. Estamos todos empenhados em ajudar os municípios a superar esses desafios no combate à Covid, na geração de trabalho e renda e no socorro social às famílias que já estão em estado de extrema pobreza, inclusive passando fome”, justifica a senadora.

Vale lembrar que Maria do Carmo foi uma das fundadoras do Democratas em Sergipe, ainda quando se chamava Partido da Frente Liberal – PFL. “Sou uma presença do partido no Senado Federal, então há um papel de liderança natural que é exercida, em convergência com as nossas lideranças nacionais e locais”, afirma, explicando o fato de estar se reunindo, de forma mais frequente com gestores e lideranças políticas de diversos municípios sergipanos.

“Nós recebemos sempre muitos prefeitos, porque atendemos a todos os municípios sergipanos, independentemente de partido político. Na maior parte dessas reuniões tratamos sobre recursos que possam viabilizar demandas importantes dos municípios. Nosso gabinete vem realizando diagnósticos nos municípios sergipanos desde 2018 e essa ferramenta tem sido muito importante para que tenhamos um desenho mais nítido das necessidades deles”, argumenta a parlamentar.

Essa ideia, segundo Maria, começou com um projeto de lei, que ela apresentou, para avaliar as políticas públicas nos três níveis de Governo, com vias a melhores aplicações de recursos. “Enquanto o projeto está tramitando no Congresso Nacional, montamos no nosso gabinete uma equipe para fazer levantamentos e diagnósticos e percebemos que tem sido uma excelente ferramenta de gestão”, destaca.

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.