Politica & Mulher
Sequência de violências a mulheres não é caso isolado

Não importa a idade, mulheres são alvos constantes 

Enquanto uma menina foi coagida a gestar e parir um bebê fruto de estupro, uma mulher de 39 anos foi agredida fisicamente pelo colega em seu ambiente de trabalho. Tudo isso aconteceu no Brasil - de Bolsonaro - nessa mesmíssima semana. 

Os atos não são casos isolados, embora chamem a atenção pela falta de sensibilidade e pela naturalidade com que violentam mulheres de diversas maneiras, a todo o tempo. 

A ponto de uma juíza coagir uma criança de 11 anos, que foi abusada aos 10, a manter uma gravidez para poder doar o bebê para adoção. “Aguenta mais um pouquinho?”, questionou a juíza. 

E não, não aguentamos mais! Não aguentamos mais tanta violência, tanta humilhação e privação de direitos básicos, como à liberdade, à segurança, à saúde - física e emocional - etc. 

Não aguentamos mais dizer o óbvio - que uma criança não pode e não precisa suportar uma gestação tão traumática quanto a causada por um abuso sexual. Que abusador não é pai! Ou que um homem não pode se achar no direito de agredir uma colega de trabalho por qualquer que seja o motivo! 

É difícil, mas acreditamos num mundo em que esse tipo de notícia seja uma exceção à regra e não apenas mais um acontecimento comum numa sociedade tão machista que naturaliza as violências mais absurdas.

Foto: © Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.