Aparte
Jozailto Lima

É jornalista há 38 anos, poeta e fundador do Portal JLPolítica. Colaboração Tanuza Oliveira.

Abominável a agressão a Joice Hasselmann. Mas inadmissível que memória dela não registre nada
Compartilhar

Joice Hasselmann: “Chato, muito chato. Abominável, isso que se passou com a deputada”

Seguramente não se combate agressão com mais agressões - e muito menos se noticia agressão a uma pessoa, seja ela pública ou não, com um foco agressivo.

Mas, convenha-se, soa demasiadamente estranho que a deputada federal Joice Hasselmann, do PSL de São Paulo, vá dormir em seu apartamento, com o marido por perto, e acorde no outro dia numa poça de sangue, com cinco fraturas no rosto, marcas na coluna, hematomas no corpo, um dente quebrado e não saiba informar nada-nadica do que se passou.

É inadmissível que isso ocorra com alguém e esse alguém, ressurgido da trombada que lhe vitimou fortemente, apenas se encarregue de dizer que tantas marcas no corpo não sejam resultado de um episódio de violência doméstica e afirme, retoricamente, não ter o “menor perfil para mulher de malandro”.

Sem qualquer acusação à vítima, isso tudo não pode deixar de soar muito suspeito e muito estranho, sobretudo vindo dessa moça jornalista que surgiu do nada para o cenário parlamentar brasileiro com 1.078.666 votos, a segunda mais votada de São Paulo, nas abas afetadas do bolsonarismo e em nome dele tenha cometido tantas asneiras até ser ejetada por Jair Bolsonaro e seus filhos nada recomendáveis.

“Joice descarta violência doméstica após 5 fraturas no rosto e diz não ter perfil para mulher de malandro”, diz uma matéria da Folha de S. Paulo desta sexta, 23.

Não há nada-nadica que justifique as agressões a Joice Hasselmann - se é que fora agressão e não queda - nem vindo de violência doméstica, como levantaram as mídias dadas a fake news, e nem das trevas da políticas. Ela hoje é uma inimiga fatal da família Bolsonaro.

Será que essa Coluna está pedindo demais, ao exigir que Joice Hasselmann, tão agredidamente espancada, devesse ter no mínimo um registro memorial do que lhe ocorrera?

Afinal, fora um fantasma que lhe agredira tão fortemente? Alguém do sigiloso além?

Uma entidade que lhe desativasse 100% a memória, lhe espancasse, fugisse e depois a fizesse voltar a si? Peraí, dona Joice Hasselmann: vá devagar com esse andor.

Quando Joice sai apanhando os cacos de um discurso negacionista de uma eventual violência doméstica, que não é linha de investigação oficial da polícia e apenas boataria de mídia social canhestra, ela não colabora em nada. Apenas complica mais e mais.

E soa estranho que tudo tenha ocorrido na madrugada do domingo, dia 18, e que só na última quinta-feira, 22, essa senhora tenha deixado vazar, porque precisou fazer exames médicos para a situação que lhe era grave.

Veja o que escreve a Folha a partir de informes dela. “A deputada diz não saber exatamente como ocorreram os ferimentos e não descarta ter sido vítima de um atentado. Nesta sexta, Joice disse que os rumores sobre violência doméstica buscam “desviar o foco do problema principal, que é essa possibilidade de atentado””.

Ora, como assim “não descarta ter sido vítima de um atentado”, se ela sequer tem registro do que lhe ocorrera?”

“Enquanto pode ter um bandido profissional mandado para me executar, esses papagaios imbecis de internet querem manchar a honra de um homem que se dedica a salvar vidas e que salvou a minha. Nojo dessa gente”, reiterou ela ao jornal paulista. “Um homem que se dedica a salvar vidas” é uma referência à profissão do marido, o médico neurocirurgião Daniel França.

Sim, “esses papagaios imbecis de internet” são mesmo humanamente insuportáveis, e Joice bem os conhece, pois já deu de comer milho a eles em sua própria mão.

“Pode ter certeza de que maior do que qualquer agressão, dor maior do que essas cinco fraturas que eu tenho no rosto ou essa fratura que eu estou na coluna, ou os hematomas que eu estou pelo corpo é ouvir uma insanidade dessas. E vamos combinar que eu não tenho o menor perfil para mulher de malandro”, disse ainda a deputada à Folha.

“Não vou acusar meus detratores e quem já me ameaçou de morte. Mas é impossível tantas fraturas com uma simples queda. Primeira suspeita é que eu tinha tido um desmaio e caí com o rosto no chão e quebrei o dente. E a gente viu que não era nada disso. Depois dos exames a gente viu que tinha múltiplas fraturas”, disse ela à Folha.

“Os médicos descartaram a possibilidade de uma queda acidental”, disse a assessoria de imprensa da deputada. “A parlamentar está medicada, amparada e se restabelecendo rapidamente. A expectativa, no momento, é que não seja necessária cirurgia por conta das fraturas”, completou.

Depois do episódio, o Departamento de Polícia Legislativa da Câmara Federal - Depol - iniciou as investigações “imediatamente após ter sido comunicado do fato”. “O Depol está ouvindo pessoas e analisando imagens do circuito fechado de TV do prédio em que a deputada reside”, indicou em nota.

A Assessoria de Imprensa da Câmara informou que as investigações estão em andamento e que têm caráter sigiloso. Chato, muito chato. Abominável, isso que se passou com a deputada federal Joice Hasselmann, seja lá o que “isso” venha a ser. Nem ela e nem ninguém merecem isso. Assim como parece mesmo ser “impossível tantas fraturas” sem que a fraturada saiba como elas se deram em seu corpo.

Foto: Reprodução SBT

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.

Gerfeton
Que crise de aminésia essa da nobre deputada hein...
Elito Hora Fontes Menezes
Li o que comentou a ASEOPP e o meu contraponto vai apenas para o que a mesma alega alega sobre como fica o valor do imóvel. Me refiro ao fato do lucro que onera demais o valor da obra concluída pelas construtoras que não fazem parte da nova versão para obras mais baratas. Se de repente eles repensarem em valores mais coerentes com o mercado, possivelmente pudessem ter razão. O que posso até concordar é sobre o alerta às dúvidas da garantia da obra concluída para quem adquirir no novo modelo, qdo ela se refere ser o condomínio o único lesado. O que precisa e reformar as leis que regem a manutenção das grandezas dos impérios no setor d construção civil. Só servem pra poucos.
Maria Nely Santos Ribeiro
Questionamentos perfeitos sobre os acontecimentos deploráveis vividos e sentidos pela deputada Joyce.Que venham os esclarecimentos logo logo.Nos brasileiros aguardamos.