Politica & Negócios
Maria Tereza Andrade

É jornalista graduada desde 1995 e tem experiência em veículos de mídia em Sergipe e no Brasil.

Coronavírus: Banese confecciona 300 mil máscaras para comunidades vulneráveis
Compartilhar

Entrega do primeiro lote do produto está prevista para este sábado, 25

Através da confecção de 300 mil máscaras, o Grupo Banese oferecerá a comunidades vulneráveis esse item indispensável para proteção contra o coronavírus (Covid-19). A entrega do primeiro lote do produto está prevista para este sábado, 25, e a distribuição começará no início do mês de maio. 

A iniciativa inclui, ainda, a compra de 34 mil testes rápidos para diagnóstico da doença. O investimento total nas duas linhas de ação é de R$ 5 milhões.

O Grupo do Banese é composto pelo Banese e pela Sergipe Administradora de Cartões e Serviços Ltda - Seac -, administradora do cartão Banese Card e da rede de adquirência TKS.

Ainda fazem parte do grupo, a Banese Corretora e Administradora de Seguros, o Instituto Banese de Seguridade Social - Sergus -, a Caixa de Assistência dos Empregados do Banese - Casse - e o Instituto Banese.

Segundo representantes do grupo, a confecção de máscaras é uma medida que se concretiza tendo como foco prioritário a Saúde, mas é também um movimento positivo para a economia.

Além de toda a matéria-prima ser comprada no Estado, a inicitiva está gerando 55 empregos temporários no município de Tobias Barreto - a produção ocorre no Complexo Industrial Governador Marcelo Déda

COMPROMISSO SOCIAL

A produção das máscaras segue todas as orientações do Ministério da Saúde, tanto na confecção do produto quanto nas condições de trabalho das costureiras. O complexo é administrado pela Companhia de Desenvolvimento Econômico de Sergipe - Codise - , parceira no projeto.

Já a higienização e a embalagem estão sendo realizados junto ao projeto Arte na Escola, no Conjunto Jardim, em Nossa Senhora do Socorro, com o apoio da Secretaria Municipal de Educação. 

O diretor de Gestão Estratégica e Tecnologia do Banese, Renato Augusto Cruz Dantas reforça o compromisso social do banco. "Esta é uma doação importante por que ajuda no enfrentamento ao coronavírus e ao mesmo tempo incentiva a economia local, através da confecção de máscaras no polo têxtil de Tobias Barreto. O nosso grupo acredita que a participação da sociedade civil e dos setores público e privado é fundamental para o suporte necessário à população e aos que estão na linha de frente no combate ao covid-19".

Para Ezio Déda, diretor superintendente do Instituto Banese, responsável pela gestão dos recursos doados para a ação, o papel de responsabilidade social do Banese é ainda mais fundamental nesse momento.

GRANDE DESAFIO

“A iniciativa do Banco do Estado só reforça o seu papel social, exercido pelo Instituto Banese ao longo dos anos em diversas frentes e também nesse momento de grande desafio para todos. É urgente apoiar com o que é mais necessário no momento, por isso planejamos essa ação e já estamos executando para o mais rápido possível distribuir esse equipamento de proteção aos sergipanos”, avalia Ezio Déda.

O coordenador do complexo industrial, Disnei Viana, destaca a importância da parceria. “O complexo industrial recebe essa ação com muito desejo de contribuir em uma situação tão delicada, mas também é marcante para a sociedade tobiense porque essa é a primeira vez que todas as máquinas do nosso Centro Vocacional Tecnológico entram em funcionamento ao mesmo tempo, sem falar na oportunidade concedida a dezenas de moradores que sofrem as consequências do desemprego gerado pela pandemia”, afirma.

É o caso de Elaine Cristina de Souza, que, por causa da medida necessária de isolamento social, parou de trabalhar. “Esse é um momento da gente se unir em prol de todos. Estou sendo beneficiada com essa renda e ao mesmo tempo o meu trabalho vai ajudar alguém que não tem condições de comprar uma máscara para se proteger. Estou muito grata pela oportunidade.”

UNINDO ESFORÇOS

O projeto conta também com a Pop Show Industrial, empresa do setor de confecção em vestuário que forneceu máquinas e o serviço de corte. O gerente de produção da empresa, Adriano Brito, diz que esse é um momento em que nada será possível se as ações forem isoladas.

“Participar de iniciativas como essa que tentam ajudar pessoas e setores tão afetados por esse vírus é imprescindível agora. Somente unindo esforços pelo bem comum teremos possibilidade de continuar com os negócios e principalmente de seguir com nossas vidas”, explica Brito.

Outra parceria importante foi estabelecida com o Restaurante Comida Caseira, que durante o período de produção das máscaras fornecerá alimentação para as costureiras. “A empresa Aparecida Regina Cassarotti entende que humanidade é imprescindível para passarmos por esse momento e como a melhor maneira da gente se envolver é fornecendo essa alimentação nos colocamos à disposição. Cada pessoa que trabalha na empresa está dando o seu melhor para ajudar”, conta o gerente operacional Paulo Fortes.

Fonte e foto: Instituto Banese

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.