Politica & Negócios
Bons negócios: Kwid x Mobi, qual o mais econômico?

Veículo subcompacto é pensado para ser prático e se adaptar a rotina nas cidades

[*] Guilherme Novaes, redator 

Em um mercado competitivo como o dos automóveis, é comum se deparar com duelo entre dois modelos semelhantes na hora de escolher o seu veículo. E, desta vez, a disputa está entre o Renault Kwid e o Fiat Mobi, um dos carros mais baratos do país.

Esse comparativo traz o destaque para uma categoria que até então vinha sendo pouco explorada desde o lançamento do Ford Ka no Brasil. Estamos falando dos subcompactos, uma série de modelos desenvolvida para quem encara a rotina agitada das cidades e não precisa de um veículo grande.

Entre os modelos que fizeram história nesse segmento podemos mencionar o Kia Picanto, Caoa Chery QQ, Volkswagen Up!. A diferença para com os participantes da análise está nos detalhes: ambos os veículos são pequenos, acessíveis e contam com bons equipamentos.

Para o comparativo em questão, estão sendo analisados as versões Renault Kwid Zen e o Fiat Mobi Like, uma vez que ambos seguem a mesma faixa de preço sendo R$ 40.390 e R$ 41.990, respectivamente.

Com o maior número de vendas, o Renault Kwid Zen representa a versão intermediária do carro. Entre as opções é aquela que tem o preço mais acessível, com foco no custo-benefício. O modelo contém direção elétrica, ar-condicionado, vidros dianteiros e travas elétricas.

Conhecido como SUV dos compactos, o Kwid tem seu visual inspirado nos SUVs. A carroceria conta com linhas mais retas e itens como faróis de máscara negra, moldura nas caixas de roda, plástico nas laterais e suspensão mais elevada.

Já o Fiat Mobi Like é opção para quem não abre mão da praticidade, da economia e ainda gosta de usufruir bons equipamentos enquanto dirige.

Considerado um dos melhores custo benefício da linha, apresenta direção hidráulica, ar-condicionado, vidros elétricos dianteiros e travas elétricas.

O diferencial está nos equipamentos opcionais como sistema operacional de som que transforma o celular em uma central multimídia, tomadas USB, computador de bordo, painel com iluminação em LED com indicador de troca de marchas, relógio digital, indicador do nível de combustível e temperatura do motor. Confira a seguir as características de cada modelo por categoria:

DIRIGIBILIDADE

Um dos pontos principais que contam para o motorista na hora de escolher o modelo deve ser a praticidade em dirigir. Nessa característica em questão, os dois modelos são bem parecidos.

O Mobi tem o motor Fire Evo, com desempenho entre 73 e 75 cavalos e torque de 9,9 e 9,5 kgf.m. Conta com quatro-cilindros mais espessos, com arrancadas mais demoradas e rotações mais baixas.

É funcional, alto, que permite ao motorista visão dianteira e lateral. O volante é ergonômico, mas o espaço é limitado, podendo causar desconforto dependendo do motorista.

Já o Kwid conta com um motor de três-cilindros com 66 podendo chegar a 70 cavalos. Com o peso de 779 kg, tem boas arrancadas no semáforo. Conta com o torque de 9,8/94 kgf.m, acima das 4 mil rotações.

Na direção pode causar incômodo dependendo do perfil do motorista em relação a distância para com os pedais e a alavanca da marcha que exige um deslocamento do corpo.

CONSUMO

Além da economia no momento da compra, que opta por um subcompacto também busca por economia na hora de rodar. Quando o consumo de combustível aparece na ponta do lápis, o Kwid sai na frente.

Nas medidas realizadas pelo Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular (PBEV), o modelo atingiu a nota A em eficiência e lidera o desempenho de sua categoria.

O Renault Kwid Zen quando abastecido com gasolina faz 14,9 km/l na cidade e 15,6 km/l na estrada. Já o Fiat Mobi com gasolina faz 12,7 km/l na cidade e 14,3 km/l na estrada.

Entre os pontos positivos do Kwid está o peso mais leve, 154 kg a menos que o concorrente. Já Mobi tem um tanque maior de 47 litros em comparação com os 38 litros do outro modelo.

Ainda o Kwid faz em torno de 593 km sem precisar abastecer e o já Mobi  roda 597 km.

EQUIPAMENTOS

Na análise dos modelos ambos contam com ar-condicionado, vidros dianteiros, travas elétricas e banco elétrico rebatível. A Renault se destaca pela presença de itens de segurança como airbags laterais e os frontais obrigatórios.

Além disso, conta com outros acessórios como  abertura interna da tampa do porta-malas, desembaçador, limpador e lavador do vidro traseiro. O diferencial perante ao concorrente está na oferta da central multimídia com suporte Android Auto e Apple CarPlay, além da câmera de ré.

Já o Mobi dispõem de direção hidráulica, regulagem de altura e computador de bordo. Conta também com Som Connect e volante multifuncional.

Também há o kit funcional da Fiat, que oferece faróis de neblina, cintos dianteiros com ajuste de altura, capas dos retrovisores e maçanetas na cor do veículo, comando interno de abertura do porta-malas e do tanque de combustível.

Ao analisar os itens oferecidos, o Renault acaba saindo na frente quando o assunto é tecnologia.

CONFORTO

Diferente de outras categorias do mercado, o subcompacto é pensado para ser prático e se adaptar a rotina nas cidades. Dessa forma, ao analisar questões como espaço interno é importante ter em mente que trata-se de um veículo desenhado para transportar duas pessoas, podendo levar até quatro adultos, de forma ocasional.

No Mobi, os passageiros da frente podem viajar tranquilos com espaço para os membros inferiores e algum cuidado com os ombros. Na parte traseira, já é preciso um pouco mais de flexibilidade, uma vez que o modelo tem apenas 2,30 de entre-eixos.

Já no Kwid é possível viajar com um pouco mais de folga, principalmente nos bancos de trás. Com o teto elevado, sobra mais espaço para as pernas. Além do espaço para os passageiros, são 290 litros de porta-malas, um dos maiores da categoria. Já na parte da frente, motorista e passageiros acabam viajando mais próximos.

NO FINAL DAS CONTAS

Ao analisar item a item de modelos muito semelhantes na categoria dos subcompactos, o custo-benefício indica apostar no Renault Kwid. Entre as vantagens do modelo estão a economia de combustível, maior espaço interno, mais equipamentos e um porta-malas maior. Também tem a questão da segurança, em que o modelo oferece mais airbags e equipamentos digitais. Já quem busca mais desempenho e direção confortável, também pode apostar no Mobi, como uma boa opção na categoria.

Curtiu? Compartilhe em suas redes sociais!

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.