Aparte
Jozailto Lima

É jornalista há 38 anos, poeta e fundador do Portal JLPolítica. Colaboração Tanuza Oliveira.

Zezinho Guimarães quer ser deputado federal e acerta com Valdemar Costa Neto pulo do MDB para o PL
Compartilhar

Zezinho Guimarães com Valdemar Costa Neto: desarmando o circo das eleições para a Alese e pensando em Brasília

Deputado estadual em terceiro mandato, Zezinho Guimarães, MDB, tem dado sinais de fadiga no desempenho do espaço da Alese e vem manifestando interesses em dar um pulo maior, indo até Brasília à bordo de um mandato de deputado federal.

Portanto, Zezinho Guimarães deve ser candidato a deputado federal no ano que vem e no finalzinho da tarde desta quarta-feira, dia 24, ele deu um passo importante na intenção de zarpar fora do MDB, com o qual está brigando e rompido desde que se reelegeu pela terceira vez em 2018.

Nesta quarta-feira, Zezinho Guimarães se reuniu com o ex-deputado federal Valdemar Costa Neto, presidente nacional do PL, em Brasília. Eles trataram da logística de filiação ao partido e sobre disputar por ele a candidatura de deputado federal.

De modo que o que se afirma nos bastidores da política de Sergipe é que Zezinho Guimarães está, já há algum tempo, liberando suas bases eleitoras no Estado do compromisso de votarem com ele para o retorno a um quarto mandato e estaria construindo a candidatura a federal do ano que vem.

As votações de Zezinho para acessar os três mandatos oscilaram muito. Ele se elegeu em 2010 com 22.499, se reelegeu em 2014 com 34.140 - foi o quarto entre os 24 da Alese - e em 2018 obteve 28.094 votos. A eleição de federal atende a uma outra perspectiva eleitoral.  

No começo dessa atual legislatura, lá em 2019, Zezinho se rebelou contra o MDB e o Governo do Estado, ao articular, juntamente como o colega emedebista Garibalde Mendonça a apresentação de uma chapa contra a que fora encabeçada por Luciano Bispo, MDB.

Perderam feiamente e desde ali que o destino de Zezinho no MDB avariou-se. Desbotou. Está lá como uma espécie de morto-vivo, esperando a janela de oportunidade para saltar fora. Zezinho comprou, inclusive, brigas homéricas com o cacique Jackson Barreto, de quem era um paparicadinho.

Aliás, antes mesmo desse episódio da disputa da Presidência da Alese, Zezinho Guimarães já era considerado entre os seus colegas uma espécie patinho feio - se não um corvo - da política. É tido como “um bocão” e de “pouca confiabilidade nas tratativas políticas”. Ninguém escapa à língua sombria e impiedosa dele.

Aqui na Alese ele comumente gera desconforto entre os demais 23 colegas. Eleito deputado federal, Zezinho vai ter a chance de diluir esse desconforto comportamental diante do rio multivário que é a Câmara Federal, na qual teria mais 512 eventuais futuros colegas e não somente 23.

Conheça mais sobre Zezinho Guimarães através do que escrevemos na série Nova Alese – Um deputado de olhos e mente abertos ao empreendedorismo

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.