Entrevista

Jozailto Lima

Compartilhar

Diná Almeida: “Meu mandato é atuante e cidadão, focado em desenvolver o Estado”

“Estamos na vida pública para levar mais qualidade de vida ao nosso povo”
20 de setembro - 8h

A deputada Diná Almeida, Podemos, 56 anos, chegou meio tímida na Assembleia Legislativa de Sergipe em fevereiro de 2019, vinda de uma eleição em 2018 que lhe rendera 20.168 votos, garantindo-lhe a 16ª posição no ranking dos 24 mais votados que atracaram ali.

Sim, tímida como se estivesse pisando em terreno minando, do qual pouco ou quase nada soubesse. Mais por zelo e por cuidados de estreante do que propriamente por falta de conhecimento do que sejam a cena e a causa políticas.

Esposa do empresário e prefeito de Tobias Barreto, Diógenes Almeida, MDB, Diná Almeida já sabia dos percalços, sabores e dissabores do poder político e das esferas administrativas - houvera sido, inclusive, secretária municipal de Assistência Social de Tobias Barreto por duas vezes sob Governos do agitado marido.

Passados os primeiros momentos, hoje Diná Almeida flana bem e é senhora de si no mandato - não sem deixar de preservar um certo ar de compenetrada que a faz jovial e falsamente indefesa. Uma quase aprendiz, que não mais o é.

Habilidosa, sim, e sabendo o que queria na principal casa parlamentar sergipana, Diná Almeida botou de largada a mão em dois espaços nobríssimos da Alese.

Ela preside a Comissão de Economia, Finanças, Orçamento e Tributação e a Frente Parlamentar em Defesa dos Micro e Pequenos Empreendedores de Sergipe.

E com “esses institutos”, com a atividade de plenário e as demais atribuições inerentes a uma deputada estadual, Diná dita bem, e com segurança, o ritmo do seu mandato.

E é a partir dessas instâncias que ela estofa a autoestima - sempre com cuidados - e diz não ter dúvida do que faz e representa na Alese nestes escassos dois anos.

“O meu mandato é atuante e cidadão, focado em melhorar e desenvolver o nosso Estado, sempre com a participação da sociedade, através de sugestões enviadas ao gabinete e também da conversa no dia a dia com a população”, afirma, apresentando as credenciais.

“Já são quase dois anos com mais de 60 proposituras parlamentares, entre indicações e Projetos de Lei, sendo que três PLs já foram sancionados”, reforça.

Nascida em Tobias Barreto e tendo vindo de lá com 10.318 dos seus 20.168 votos - mais da metade, portanto -, Diná bate continência pro seu lugar, pro sul em que ele está inserido, mas sabe que não pode perder de vista Sergipe inteiro. 

“Eu legislo para os mais de 2,3 milhões de sergipanos e não só para quem vive em Tobias Barreto e região. Mas diria que a região centro-sul de Sergipe é a minha terra natal, Tobias Barreto é onde nasci e vivi grande parte da minha vida. Sei das necessidades e das demandas do povo porque são minhas próprias demandas como cidadã”, avisa ela.

Nesta Entrevista, Diná Almeida passa seu mandato em revista, opina sobre as economias nacional e local, sobre pandemia, louva a ação do marido como gestor de Tobias Barreto, prevê a reeleição dele e manda um recado seco para seu oponente tobiense na Alese, deputado Dilson de Agripino: não vai mais ouvir calada os impropérios dele em plenário.

Aliás, de Dilson, Diná faz uma leitura dura. “É dissimulado. Dilson entregou a prefeitura e a cidade de Tobias Barreto caindo aos pedaços. Creio que Dilson se candidatou para deputado já pensando em se promover para as eleições municipais. Eu o considero um oportunista. Ele passou anos no PT, fez seu nome na sigla. Quando Lula foi preso e o antipetismo cresceu em todo país, ele abandonou o barco”, fustiga Diná.

Diná, em pose de adolescente: nasceu em Tobias Barreto em 26 de abril de 1964 e é filha de João Cassiano e de Marieta Silva Ramos
Diná Almeida: uma parlamentar com facilidade para aprender os ritos da Alese

DA CORDIALIDADE NO ÂMBITO DA ALESE
“Uma casa legislativa nunca é convergente o tempo todo. Estamos em uma democracia e há pluralidade de pensamentos, ideias e interesses. Mas o diálogo e o respeito prevalecem sempre, até mesmo porque o objetivo final é comum”

JLPolítica - A senhora consegue explicar por que Diógenes chama tanto o deputado Dilson de Agripino para ir à disputa eleitoral deste ano com ele? Não é mais difícil vencê-lo? 
DA -
Eu tenho a impressão de que Dilson se elegeu deputado estadual já pensando nas eleições para a Prefeitura dois anos depois. Portanto, não acho que seja Diógenes que esteja chamando o deputado para a disputa eleitoral, mas sim um movimento natural de Dilson. Ele já foi prefeito uma vez e seu objetivo é voltar. Respondendo sua pergunta, não acho que seja mais difícil vencê-lo. A população sabe quem trabalha com honestidade e com empenho para melhorar a cidade. Como eu disse, Tobias Barreto cresceu muito nestes últimos quatro anos. Foram muitos avanços. Todos sabem que isso é fruto da administração de Diógenes Almeida.

JLPolítica – Qual é o conceito que a senhora tem do Dilson de Agripino enquanto opositor interno em Tobias e no âmbito da Alese?
DA -
Não faço juízo de caso de meus colegas deputados. Foco no meu trabalho para melhorar a vida do povo sergipano. O que não concordo e não admito é que o plenário da Alese seja utilizado para autopromoção como vinha sendo feito por Dilson. Todas suas falas eram direcionadas para enaltecer seu trabalho quando era prefeito de Tobias Barreto e dizer inverdades a respeito da atual gestão. A Alese é local para discutir e propor melhorias para todo o Estado. Se quiser falar sobre outros assuntos, existem espaços destinados para isso.

JLPolítica - Há quem veja Dilson de Agripino como um ser humano e um político dissimulado. A senhora também o enxerga assim?
DA -
É exatamente assim que eu o vejo. Sim, ele é dissimulado. Dilson entregou a prefeitura e a cidade de Tobias Barreto caindo aos pedaços. Como disse anteriormente, creio que Dilson se candidatou para deputado já pensando em se promover para as eleições municipais. Eu o considero um oportunista. Por exemplo, ele passou anos no PT, fez seu nome na sigla. Quando Lula, maior nome do partido, foi preso e o antipetismo cresceu em todo país, ele abandonou o barco e se filou a outro partido. Hoje já acena novamente para o Partido dos Trabalhadores, embora negue veemente que retornará. Esse tipo de coisa não inspira confiança.

Família Almeida solenemente reunida: “Os Almeida não entraram na política por necessidade de poder. Estamos na vida pública porque queremos ajudar a desenvolver Sergipe”

JLPolítica - A senhora vai querer renovar seu mandato em 2022?
DA -
Meu foco é no meu mandato atual. Tenho mais dois anos de trabalho parlamentar para cumprir e com uma missão muito importante, que é a de ajudar Sergipe a se recuperar dos danos causados pela pandemia do coronavírus e se desenvolver. 

JLPolítica - Mas essa renovação dependerá da renovação do mandato de Diógenes Almeida na Prefeitura?
DA -
De forma alguma. A candidatura de Diógenes é para Prefeitura, para se reeleger chefe do Poder Executivo Municipal. Eu apoio seu nome para o pleito eleitoral, mas o meu trabalho é no parlamento sergipano. Diógenes é minha inspiração política. Ele e meu filho, Júnior, são meus conselheiros. Inspiram-me a fazer política. 

JLPolítica - Por que a senhora acha que Diógenes se reelege prefeito? A gestão dele justificaria uma reeleição por mais quatro anos?
DA -
Tobias Barreto cresceu muito nos últimos quatro anos. E tudo isso é fruto de um trabalho exemplar da administração municipal. A saúde de Tobias Barreto hoje é referência na região. Antes, a população tinha que ir para Lagarto ou para Aracaju para buscar certos atendimentos. Hoje tudo é feito no município. Foram implantadas UBS nos povoados e as filas para marcar consulta e para ser atendidos não existem mais. Esse era um grande trauma para a população tobiense. Tinha gente que acordava às cinco da manhã para marcar uma consulta. Vários povoados foram calçados, escolas foram reformadas, teve obra na cidade inteira. Hoje, se o tobiense quiser abrir seu próprio negócio, não precisa mais viajar para a capital. Todo o tramite é feito em Tobias e no dia seguinte a empresa já está aberta. Tudo isso é trabalho de Diógenes Almeida.

Afeto por Tobias levou-a a conceder título oficial de Capital Sergipana dos Bordados: “Evidencia o nome de Tobias Barreto não só para o Estado, mas para todo o Brasil”

TENDO O DESENVOLVIMENTO POR FOCO
“Tenho várias proposituras com o objetivo de alavancar e fortalecer a economia sergipana, como, por exemplo, o PL que institui o Programa Município Empreendedor, que cria o ranking Município Empreendedor do Ano, que premiará as cidades que registrarem os maiores índices de atividade empreendedora per capita”

 JLPolítica - Um tema recorrente em seu mandato tem sido as péssimas condições em que se encontram as estradas e rodovias de Sergipe. O que senhora espera para 2021 e 2022 nesse terreno?
DA -
As estradas sergipanas em geral estão, sim, em péssimas condições. Isso tem impacto direto na economia, na segurança, em diversas áreas, e foi tema de várias proposituras e reuniões minhas com Belivaldo. O nosso governador sabe dessa situação e tem investido na recuperação delas. A estrada que liga Tobias e Riachão, por exemplo, que há muito tempo tem sido motivo de várias solicitações, está sendo totalmente reconstruída com recursos próprios do Governo Estadual. Sergipe acabou de receber R$ 200 milhões que serão voltados diretamente para reformas em rodovias em todo o Estado. Vamos trabalhar para que sejam atendidas todas as estradas sergipanas que precisarem de reformas.

JLPolítica - Qual a importância de a senhora ter concedido a Tobias Barreto o Título de Capital Sergipana dos Bordados? Isso impacta positivamente em que?
DA -
Espontaneamente, Tobias Barreto sempre foi considerada a Capital Sergipana dos Bordados. É um sentimento que todo tobiense tinha. Faz parte da nossa história, nossa tradição, é nossa cultura. O meu Projeto de Lei veio para tornar oficial esse sentimento. Os impactos que o título de Capital Sergipana dos Bordados trazem são enormes. Evidencia o nome de Tobias Barreto não só para o Estado, mas para todo o Brasil.É a valorização da nossa cultura, do trabalho desses verdadeiros artesões da linha e das agulhas.

JLPolítica - Mas qual foi a área em que seu mandato mais apresentou sugestões?
DA -
Meu mandato abrange diversas áreas. Tenho proposituras que têm como objetivo garantir o acesso à água, que pedem melhorias em rodovias, incentivam a abertura de novos negócios. Em 2020, com a pandemia do coronavírus, as atenções ficaram voltadas para proposituras que têm como objetivo mitigar os impactos causados pela Covid-19, como por exemplo minha Emenda Aditiva ao artigo 2º da LDO, que visa incentivar a recuperação econômica em nosso Estado, através de programas e projetos que visem apoiar o comércio em geral, indústrias, grandes e pequenos empreendedores, aprimorando ações estratégicas para recuperação e retomada do crescimento socioeconômico, em resposta aos impactos causados pela pandemia. Outro PL de minha autoria, que também tem como objetivo ajudar o Estado a se recuperar da pandemia, prorroga os prazos de vigência de autorizações e licenciamentos ambientais por 120 dias. Isso poupará o Estado e todas as prefeituras sergipanas, bem como as construtoras e empreiteiras, do desgaste com a burocracia na renovação destes documentos. Se aprovado, essa lei contribuirá para o andamento das obras em todo Estado, e fomentará a economia das cidades sergipanas.

Com o secretário de Estado da Fazenda, Marco Queiroz, em evento-sabatina na Comissão de Economia, Finanças, Orçamento e Tributação

JLPolítica - Durante a pandemia houve um aumento nos casos de violência contra a mulher devido ao período de isolamento social. O que fazer para estancar essa situação no agora e no pós-pandemia?
DA -
Este é um problema crônico no Brasil e que precisa ser combatido através de diversas frentes. Temos a Lei Maria da Penha, que é referência no mundo inteiro, mas só ter a legislação que pune a violência contra a mulher não é suficiente. É necessário que a sociedade entenda quão grave são estes casos, se conscientize e denuncie. Investir em campanhas que informem a população das leis que protejam não só as mulheres, mas também os vulneráveis, e criar uma consciência da igualdade de gênero são as ferramentas que podem reverter essa situação. Investir em educação e fortalecer as instituições para que a lei seja cumprida são etapas fundamentais para o combate à violência doméstica. Nós deputados também temos que propor novas leis que coíbam a violência contra os vulneráveis. Há poucos meses protocolei um PL que torna obrigatório que hospitais públicos e privados comuniquem às delegacias de polícia e autoridades policiais os atendimentos em suas unidades dos casos de idosos, mulheres, crianças e adolescentes vítimas de agressões físicas.

JLPolítica - Na sua visão, o macho no Brasil é muito violento e por quê?
DA –
Infelizmente, vivemos em uma sociedade machista, onde lidamos com o sexismo estrutural. Essa é uma questão prejudicial para toda a sociedade. Existe uma concepção de que os homens devem ser fortes, não devem expressar sentimentos, se destacar através da força física e que eles são superiores às mulheres. É uma visão de mundo que foge à realidade e que é danosa, inclusive para os próprios homens. Nos últimos anos temos visto um rompimento, ainda que pequeno, dessa forma de pensar. Ainda há muito caminho para seguir, mas através da educação, conscientização e de leis que punam casos de violência, mudaremos essa realidade.

JLPolítica - Hoje Sergipe tem uma bancada feminina na Alese de apenas seis parlamentares em um todo de 24. A senhora acha tímida a participação da mulher sergipana na política?
DA -
Não só em Sergipe, mas em todo o mundo. Nós mulheres somos mesmo mais tímidas. É preciso incentivar para que venham cada vez mais candidaturas femininas, que levem o ponto de vista da mulher para a política. Temos muitas mulheres capacitadas, com boas ideias e que precisam apenas da oportunidade para brilhar. 

Diná Almeida em instante de inspeção de obras públicas: ela sonha com estradas boas para Sergipe

JLPolítica - A senhora e ele não conseguem estabelecer uma harmonia de pleitos e ações no Legislativo em nome dos interesses de Tobias Barreto?
DA -
Não existe essa desarmonia, pelo menos não de minha parte. Meu objetivo é levar qualidade de vida para os sergipanos, impulsionar o crescimento do meu Estado. Se Dilson apresentar alguma propositura que beneficie Tobias Barreto e Sergipe, irei apoiar sim. Espero que ele faça o mesmo com as minhas.

Sempre em eventos ligados ao desenvolvimento do Estado de Sergipe

JLPolítica - Especificamente nessa área do desenvolvimento, o que o mandato da senhora tem feito?
DA -
Além da Presidência da Comissão de Economia, Finanças, Orçamento e Tributação e da Frente Parlamentar em Defesa dos Micro e Pequenos Empreendedores de Sergipe, tenho procurado ouvir e levar as solicitações de empresários dos setores produtivos e de serviço para a Assembleia e para o governador, avaliando o que pode ser feito para garantir um melhor ambiente econômico para o nosso Estado. 

JLPolítica - Por exemplo?
DA -
Tenho várias proposituras com o objetivo de alavancar e fortalecer a economia sergipana, como, por exemplo, o PL que institui o Programa Município Empreendedor, que cria o ranking Município Empreendedor do Ano, que premiará as cidades que registrarem os maiores índices de atividade empreendedora per capita. O município com melhor índice terá prioridade no repasse de verbas públicas para as Secretarias Municipais ligadas as atividades empreendedoras. Outro PL de minha autoria tem como objetivo incluir o tema Educação Empreendedora como conteúdo transversal na grade curricular de educação básica nas redes de ensino público do nosso Estado. O objetivo é desenvolver nos jovens sergipanos o espírito empreendedor, abordando conteúdos como educação financeira, cultura organizacional, conceitos de ética, sustentabilidade, livre iniciativa e outros assuntos relacionados. É assim que vamos criar uma nova geração de empreendedores, que terão uma base mais sólida antes de entrar no mercado. 

JLPolítica - Ser presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Micro e Pequenos Empreendedores de Sergipe ajuda a detectar melhor as carências e melhor promover a esse segmento? 
DA -
Definitivamente! Essa Frente me proporciona conhecer diretamente as demandas e solicitações daqueles que são a engrenagem da economia do nosso país. Segundo dados do IBGE, os micro e pequenos empreendimentos são responsáveis por 27% do PIB brasileiro. São eles quem fazem nossa economia girar. Proporcionar um ambiente mais saudável para abertura de novas empresas, para que elas possam se desenvolver e fixar no mercado, é fundamental para a economia sergipana.

Diná e Diógenes: um amor que vem de longe e deitou raízes profundas

DO PORQUÊ DISPUTAR UM MANDATO DE DEPUTADA
“Definitivamente, uma decisão de caráter pessoal, mas com intuito altruísta. Os Almeida não entraram na política por necessidade de poder. Estamos na vida pública porque queremos ajudar a desenvolver Sergipe, para levar mais qualidade de vida ao nosso povo”

 JLPolítica - É natural que o seu mandato contemple mais a zona sul do Estado de Sergipe e em especial Tobias Barreto?
DA -
Eu legislo para os mais de 2,3 milhões de sergipanos e não só para quem vive em Tobias Barreto e região. Mas diria que a região centro-sul de Sergipe é a minha terra natal, Tobias Barreto é onde nasci e vivi grande parte da minha vida. Sei das necessidades e das demandas do povo porque são minhas próprias demandas como cidadã. Foi nessa região que tive a maior parte dos meus votos, embora eu tenha sido bem votada em todo o Estado. Mas é importante ressaltar que estou deputada estadual e desde o momento que me candidatei soube que as solicitações e demandas de todo Sergipe se tornariam minhas. 

JLPolítica - Qual é a diferença básica e elementar entre exercer a função de secretária Municipal de Assistência Social de uma cidade do porte de Tobias e um mandato de deputada estadual, como foi e é a sua situação?
DA -
São atividades e posições totalmente diferentes. Como secretária, meus trabalhos estavam nas demandas sociais do município de Tobias Barreto. O mandato de deputada estadual exige atenção mais abrangente, lidando com uma gama muito maior de assuntos, deveres e solicitações. Como deputada, lido todos os dias com temas como economia, saúde, educação, segurança pública além da assistência social. Os dois mandatos como secretária me deram expertise na área e com certeza me ajudam no meu trabalho parlamentar hoje. Mas, reitero: são atividades totalmente distintas.

JLPolítica - Presidir a Comissão de Economia, Finanças, Orçamento e Tributação inclinou seu mandato mais para as demandas desenvolvimentistas do Estado de Sergipe?
DA -
Com certeza. Essa é uma das comissões mais importantes na Assembleia. Ela influencia todas as áreas da administração pública. Estar vivendo o dia a dia, estudar pautas e temas, participar de eventos e reuniões que envolvam as finanças do Estado me colocam numa posição privilegiada de conhecimento, que me inspira diretamente na hora de fazer proposituras que possam estimular o desenvolvimento econômico de Sergipe.

Com Diógenes Junior, o filho caçula, que já foi vereador em Tobias Barreto, e quem ela tem como um guru político

JLPolítica - Disputar um mandato de deputada foi uma decisão de caráter pessoal ou o cumprimento de mais uma necessidade de a família Almeida buscar mais um espaço de poder?
DA -
Definitivamente, uma decisão de caráter pessoal, mas com intuito altruísta. Os Almeida não entraram na política por necessidade de poder. Estamos na vida pública porque queremos ajudar a desenvolver Sergipe, para levar mais qualidade de vida ao nosso povo.

JLPolítica - Esse desejo tem um histórico anterior?
DA -
Sim, claro. Por muitos anos estive envolvida nos bastidores da política, numa posição mais passiva, tanto como primeira-dama de Tobias Barreto quanto como secretária municipal da Assistência Social. Toda essa experiência acendeu uma chama no meu coração. Fez crescer em mim uma vontade de ser mais ativa para colaborar e promover o desenvolvimento de Sergipe.

JLPolítica – De certo modo, a política faz parte da sua vida desde há muito.
DA –
Sim. Sempre estive envolvida com a política, mas de uma forma mais passiva. Nos bastidores, como primeira-dama. Foi durante gestão de Diógenes que comecei a tomar uma atitude mais ativa. Estive Secretária Municipal de Assistência Social e me descobri ali. Estive em contato direto com o povo da minha cidade, ouvindo suas demandas, ajudando através de programas sociais. Tudo isso acendeu em mim essa vontade de fazer algo a mais. Foi isso que me inspirou para me candidatar para um mandato na casa do povo sergipano.

Memórias da campanha de 2018, com o marido Diógenes Almeida

MANDATO QUE CAPTA O SENTIMENTO DA POPULAÇÃO
“O meu mandato é atuante e cidadão, focado em melhorar e desenvolver o nosso Estado, sempre com a participação da sociedade, através de sugestões enviadas ao gabinete e também da conversa no dia a dia com a população”

 JLPolítica - Qual é o extrato que fica da atuação do seu mandato nestes dois primeiros anos?
Diná Almeida -
O meu mandato é atuante e cidadão, focado em melhorar e desenvolver o nosso Estado, sempre com a participação da sociedade, através de sugestões enviadas ao gabinete e também da conversa no dia a dia com a população. Já são quase dois anos com mais de 60 proposituras parlamentares, entre indicações e Projetos de Lei, sendo que três PLs já foram sancionados.

JLPolítica - Qual é o foco principal do mandato?
DA -
O nosso trabalho está em diversas frentes, como a economia, através da Frente Parlamentar em Defesa dos Micro e Pequenos Empreendedores de Sergipe e da Comissão de Economia, Finanças, Orçamento e Tributação, das quais sou presidente. Tenho também proposituras para a infraestrutura, com propostas que solicitam, por exemplo, reformas e obras de recapeamento em todo Sergipe, além de indicações e PLs para a segurança pública, acesso à água, saúde, educação e assistência social. Nossas atenções agora estão voltadas para o desafio que 2020 nos impôs, que é a pandemia de coronavírus. Temos que planejar e pensar como será a retomada econômica, o retorno às aulas e como melhorar e preparar o nosso serviço de saúde.

JLPolítica - Qual é a diferença da Diná Almeida de fevereiro de 2019 para a Diná de agora, no campo da atuação na Alese?
DA -
Acima de tudo, hoje sou uma parlamentar com mais experiência. São 20 meses de trabalho, vivenciando uma rotina que já se tornou hoje natural para mim. A Diná Almeida de setembro de 2020 sabe mais sobre os processos parlamentares, sobre a política sergipana, os desafios da administração pública e, principalmente, tem mais conhecimento sobre as necessidades do povo sergipano. Por isso meu trabalho ganhou mais abrangência, com ações e proposituras que causam impactos em diversas áreas. 

Com Diógenes Almeida, o amor de uma vida inteira e mais um tiquinho

UM OLHAR SOBRE TODO SERGIPE, MAS TOBIAS...
“Eu legislo para os mais de 2,3 milhões de sergipanos e não só para quem vive em Tobias Barreto e região. Mas diria que a região centro-sul de Sergipe é a minha terra natal, Tobias Barreto é onde nasci e vivi grande parte da minha vida”

 JLPolítica - O ambiente interno da Alese é cordato ou é só aparência?
DA -
Uma casa legislativa nunca é convergente o tempo todo. Estamos em uma democracia e há pluralidade de pensamentos, ideias e interesses. Mas o diálogo e o respeito prevalecem sempre, até mesmo porque o objetivo final é comum. Todos buscam de alguma forma o melhor para o nosso Estado e seu povo.

JLPolítica - A senhora consegue avaliar o impacto da pandemia do coronavírus do ponto de vista econômico sobre o Estado de Sergipe e o município de Tobias Barreto?
DA -
A pandemia trouxe impactos inimagináveis para o mundo todo, e Sergipe não é diferente. Negócios tiveram de ser fechados por alguns meses para evitar que mais pessoas se contaminassem e com isso superlotassem os serviços de saúde, que ainda assim tiveram dificuldades para atender a todos. Mesmo com os programas estaduais e federais de renda mínima e auxílio para as empresas, muitos negócios não resistiram e foram encerrados, o que gerou ainda mais desemprego e queda na renda per capita. Estamos, há algumas semanas, na fase de reabertura e retomada econômica, tomando várias precauções para que possamos voltar às atividades de uma forma segura. Temos agora um grande desafio, que será o de recuperar nosso Estado num todo. Será um período difícil, mas com fé em Deus e muito trabalho conseguiremos nos reestruturar. 

JLPolítica - Que expectativas econômicas a senhora nutre para ano de 2021 nas esferas federal, estadual e municipais?
DA -
Creio que 2021 será um ano muito importante para o mundo todo e não só para Sergipe. Será o primeiro ano após uma das maiores crises econômicas da história. Temos de planejar com calma e responsabilidade nossas ações, visando mitigar os efeitos latentes da pandemia, incentivar e desenvolver a abertura de novos empreendimentos, gerar mais empregos e investir em estratégias em áreas chave. Temos de explorar nossos pontos fortes. Sergipe, por exemplo, tem grande potencial turístico que até pouco tempo atrás tinha sido pouco explorado, mas que agora está recebendo a atenção devida. Este ano tivemos a inauguração da maior termoelétrica da América Latina, a Usina Termoelétrica Porto de Sergipe que, além de gerar novos postos de trabalho, elevou o nome do nosso Estado para todo o mundo, o que pode trazer mais investimentos para cá. 

Em companhia dos netos, recebe das mãos do então governador reeleito Belivaldo Chagas o diploma de deputada estadual eleita