Jeferson Andrade: “Meus mandatos assumem compromissos e ajudam a quem mais precisa”

Entrevista

Jozailto Lima

Compartilhar

Jeferson Andrade: “Meus mandatos assumem compromissos e ajudam a quem mais precisa”

17 de abril de 2021
“Meta do PSD é apresentar alternativa para continuar no comando do Estado”

Jeferson Andrade, 40 anos, deputado estadual em terceiro mandato e presidente da Executiva do PSD do Estado de Sergipe, é um político discreto. Bem na dele. Observa mais do que fala, e nunca entra em bola dividida. É cordial sem afetação.

Mas se engana fartamente quem pensa que, por ser assim, Jeferson Andrade não esteja filtrando e absorvendo tudo à sua volta e ao seu modo. Ele processa bem o que é importante e promissor, e não tem tempo a perder com firulas.

E assim Jeferson Andrade vai tocando o mandato obtido e renovado desde 2010 e o partido, que hoje detém o Governo do Estado, um deputado federal, quatro deputados estaduais, 20 dos 75 prefeitos de Sergipe e um primeiro suplente de senador.

Diante “desse patrimônio” político, Jeferson Andrade não é nada avaro nem somítico quando projeta o futuro do PSD nos caminhos da sucessão do Governo de Sergipe no ano que vem.

“O PSD tornou-se um “gigante” na política de Sergipe e a nossa meta é a de apresentar uma alternativa ao povo para continuar no comando do Estado. Temos nomes e projetos”, diz ele.

“Nosso grupo político é muito forte e reúne totais condições de continuar governando Sergipe a partir de 2023 como consequência das eleições de 2022. Quando o PSD é o mais votado em 2020, isso já significa e sinaliza que o nosso partido está em sintonia com o povo. E isso, efetivamente, aumenta a nossa responsabilidade. Portanto, eu aposto, sim, que vamos vencer em 2022”, reitera Jeferson.

Mas, apesar de reconhecer o peso e a importância do PSD, Jeferson Andrade não se coloca, e nem ao seu partido, impositivamente neste contexto.

Jeferson Andrade: “A Primeira Secretaria, dentre outras atribuições, concentra a responsabilidade das questões administrativas do Legislativo como um todo.
Cheio de energia, Jeferson sempre produziu campanhas animadas, com bons engajamentos. Em 2018, ele foi o terceiro mais votado do Estado

Nesta Entrevista, Jeferson Andrade vai fazer um perfil do seu mandato, abordará a decisão do STF sobre a eleição da Mesa da Alese, sairá em defesa do mandato de Luciano Bispo na Presidência do Legislativo Estadual, dirá do esforço que faz por grandes obras em Sergipe e desaprovará o modo como o Governo do Brasil encarara a pandemia do coronavírus.

Jeferson Luiz de Andrade nasceu na cidade de Aracaju no dia 13 de junho de 1980. Ele é filho de Ulices Andrade Filho e de Maria Graciete de Andrade.

É solteiro, pai de Maria Luísa Vieira Andrade, de quatro aninhos, e noivo de Jullyana Barrozo de Oliveira, enfermeira e pedagoga com pós-graduação em Neuropedagogia. Jeferson está concluindo uma Faculdade de Administração de Empresas.

Ele faz, obviamente, uma boa avaliação do extrato de quase 12 anos de mandatos na Alese. “Em minha avaliação, esse extrato é excelente. Se eu não fizesse um bom trabalho não teria o reconhecimento das pessoas, dos amigos, e não retornaria a esta Casa. Eu preciso dizer que o trabalho de um parlamentar não se resume à tribuna, aos rituais do plenário. Meus mandatos assumem compromissos e ajudam a quem mais precisa”, afirma.

Pelo que tem a dizer e pela forma como analisa a política de Sergipe - com cautela, mas sem vacilar -, Jeferson Andrade merece muito bem ser lido em sua Entrevista.

Aqui, rodeado de gente que contribui com seu mandato: Misslene Menezes Rocha, Jánderleide Alves de Oliveira, Jullyana, a noiva, Diana Gomes de Andrade Rezende, Edilma Freitas e Juliana Brito Maia
DE COMO VÊ O EXTRATO DO MANDATO
“Em minha avaliação, esse extrato é excelente. Se eu não fizesse um bom trabalho não teria o reconhecimento das pessoas, dos amigos, e não retornaria a esta Casa”


JLPolítica - Qual é o resultado-extrato que fica dos seus três mandatos de deputado estadual, em quase 12 anos de legislativo?
Jeferson Andrade -
Em minha avaliação, esse extrato é excelente. Se eu não fizesse um bom trabalho não teria o reconhecimento das pessoas, dos amigos, e não retornaria a esta Casa. Eu preciso dizer que o trabalho de um parlamentar não se resume à tribuna, aos rituais do plenário. Quando você vai até uma Secretaria ou a um órgão de Estado e viabiliza uma obra, um reparo, um serviço, quando você atende à demanda de uma comunidade, você também está “legislando” para as pessoas. E esse tem sido o meu trabalho. Meus mandatos assumem compromissos e ajudam a quem mais precisa.

JLPolítica - O senhor não ressente de uma necessidade de maior ação de poder para um deputado estadual frente ao Executivo?
Jeferson Andrade -
Talvez não. Cada parlamentar imprime a dosagem exata da sua ação. Veja: existem parlamentares que falam todos os dias na tribuna, os que acumulam participações em setores da imprensa, mas não se reelegem. Isso é comum. Cada um tem seu estilo de atuar. Eu tenho o meu e vem dando muito certo. Sou um parceiro do governador Belivaldo Chagas e muitos dos nossos pleitos são atendidos por ele. Se brincar, nosso mandato é mais resolutivo do que o de muita gente por aí.

JLPolítica - Como é que o senhor recebe determinados rumores que lhe colocam com um pé numa pré-candidatura a deputado federal em 2022?
Jeferson Andrade -
Recebo com reservas, porque sou de fato é pré-candidato a deputado estadual. À reeleição. Mas até fico contente quando ouço amigos projetando meu nome para outros mandatos em outras esferas, porque isso reconhece as minhas potencialidades, mas eu tenho consciência do meu trabalho na Alese e junto às comunidades que me apoiam e tenho em mente que devo disputar a reeleição. Neste momento, esse é meu projeto político para 2022.

Jeferson e as mulheres da família: dona Creuza, a avó, a mãe Maria Graciete de Andrade, a tia Isabel à esquerda, e a filhota Maria Luísa Vieira Andrade, de quatro aninhos
SEM NOVA ELEIÇÃO PARA A DIREÇÃO DA ALESE
“Eu sigo o entendimento do presidente Luciano Bispo e da Mesa Diretora de que a decisão recente do STF versa para as próximas legislaturas. Não há qualquer impedimento para a continuidade da atual Mesa, cujos membros foram escolhidos democraticamente”


JLPolítica - Como o senhor vê a possibilidade de uma nova eleição para o comando do Poder Legislativo de Sergipe a partir da ação do STF?
Jeferson Andrade -
Eu sigo o entendimento do presidente Luciano Bispo e da Mesa Diretora de que a decisão recente do STF versa sobre as próximas legislaturas. Não há qualquer impedimento para a continuidade da atual Mesa, cujos membros foram escolhidos democraticamente e os trabalhos estão fluindo bem, apesar das dificuldades impostas pela pandemia. Honestamente, não acredito em nova eleição agora.

JLPolítica - Mas se fosse de haver uma nova eleição nestas circunstâncias, o senhor entraria na disputa pelo cargo de presidente?
Jeferson Andrade -
Eu não gosto de tratativas no campo das especulações, mas sim de casos concretos. Hoje o presidente da Alese é o deputado Luciano Bispo e ele tem legitimidade e o apoio dos colegas para continuar no comando da Casa até o final da atual legislatura. Nós temos uma relação bastante amistosa: Luciano, até pela idade que nos separa, sempre me aconselha e estou com ele para o que der e vier.

JLPolítica - Com tantos mandatos de primeiro secretário do Legislativo, o senhor acha que essa expertise ajudaria a quem tenha intenção de presidir o Poder Legislativo de Sergipe?
Jeferson Andrade -
Devo dizer que não me considero melhor que os colegas porque estou na Primeira Secretaria da Mesa. Jamais. Sou um deputado como qualquer outro, e qualquer um pode chegar a comandar a Casa. Isso é resultado de uma discussão política, que passa por um entendimento dos parlamentares e aquele nome que contempla a maioria ou até a unanimidade vence o pleito. Como bem diz o presidente Luciano, estamos numa Casa dos Iguais.

Jeferson Andrade e Ulices Andrade: a dupla pai e filho que batem bola política juntamente, mas cada um em gramado diferente
DAS ATRIBUIÇÕES DA PRIMEIRA SECRETARIA
“A Primeira Secretaria, dentre outras atribuições, concentra a responsabilidade das questões administrativas do Legislativo como um todo. Ela em si é um desafio enorme, porque temos demandas diárias do parlamento. Desde o princípio me coloquei à disposição dos colegas para atendê-los da melhor forma possível”


JLPolítica - Afinal, para quem não conhece a estrutura do Legislativo, o que realmente faz o primeiro secretário desse Poder?
Jeferson Andrade -
Agradeço por essa pergunta: a Primeira Secretaria, dentre outras atribuições, concentra a responsabilidade nas questões administrativas do Poder Legislativo como um todo. Ela em si é um desafio enorme, porque temos demandas diárias de todo o parlamento. Desde o princípio me coloquei à disposição dos colegas deputados para atendê-los da melhor forma possível, tentando gerir a Casa em sintonia com o presidente Luciano Bispo e a Diretoria-Geral do Poder. Graças a este alinhamento, nós conseguimos montar uma Mesa forte e vitoriosa.

JLPolítica - Como é que o senhor classifica a sua relação pessoal e institucional com os seus demais 23 colegas?
Jeferson Andrade -
Eu me relaciono bem com todos eles. É evidente que, pelo perfil, pela idade e até por questões políticas, a gente acaba criando mais afinidade com um ou outro parlamentar. Mas já estou há algum tempo na Casa e graças a Deus sem máculas, sem divergências ou atritos com os colegas. Procuro separar as questões políticas do relacionamento interpessoal e me sinto bem por isso. Temos que respeitar a individualidade de cada um.

JLPolítica - É fácil o trânsito das decisões administrativas da Alese sob a gestão de Luciano Bispo presidente?
Jeferson Andrade -
A gestão de Luciano Bispo é um sucesso porque ele nos ensina a cada dia. Ele compartilha saberes. Além de um líder político e de sua experiência, ele tem o dom de ouvir as pessoas e de agir como conciliador, como alguém que controla bem os conflitos. Essa convivência com Luciano, na Mesa Diretora, tem me servido como um grande aprendizado. Seja como deputado, seja como homem.

Jeferson Andrade e a noiva, a enfermeira e pedagoga Jullyana Barrozo de Oliveira: conselheira das horas boas
DE COMO ESTÁ O PSD EM SERGIPE 
“Diria que estamos otimamente bem em todos os aspectos. Como presidente da Executiva Estadual, tenho construído grande relação partidária e de amizade com Fábio Mitidieri, que comanda o Diretório da capital. Somos parceiros, ele tem me ensinado muito, elegemos o governador em 2018, e o PSD que vimos brotar hoje é uma potência nacional”


JLPolítica - Qual foi o papel da Alese no ano pandêmico de 2020 e como está sendo em 2021?
Jeferson Andrade -
Desde o início da pandemia a Assembleia Legislativa de Sergipe vem mantendo seus protocolos próprios. Agora, por exemplo, por causa do crescimento dos casos da Covid-19 em Sergipe, a Alese manteve o protocolo padrão e, desde então, vieram à tona algumas restrições, sendo que desde o princípio da pandemia nós fomos um dos únicos poderes que não pararam suas atividades. Mesmo com restrições, tudo vem sendo mantido sob rigorosa inspeção e respeito aos decretos governamentais. Nós analisamos e aprovamos pedidos de reconhecimento de calamidade pública; aprovamos doações de recursos exclusivos de emendas para serem convertidos em itens de saúde pública, para salvar vidas. Como eu coloquei acima, talvez o segredo do nosso sucesso seja o empenho de cada um em fazer o melhor.

JLPolítica - Do ponto de vista de organização, de instalação de bases estadual e municipais, como está o PSD de Sergipe hoje?
Jeferson Andrade -
Eu diria que estamos otimamente bem em todos os aspectos. Como presidente da Executiva Estadual, tenho construído uma grande relação partidária e de amizade com o deputado federal Fábio Mitidieri, que comanda o Diretório Municipal da capital. Somos parceiros políticos. Ele tem me ensinado muito, elegemos o governador em 2018 e o PSD que vimos brotar hoje é uma potência nacional, inclusive aqui no Nordeste. Estamos felizes sim com essa evolução.

JLPolítica - Como foi o desempenho do seu partido nas eleições municipais de Sergipe no ano passado? Foi positivo ou negativo?
Jeferson Andrade -
Positivíssimo. Em 2020, o PSD foi o partido que elegeu mais prefeitos em Sergipe. Ao todo, foram 20 gestores, entre os eleitos e reeleitos. Temos ainda vários vice-prefeitos e enorme quantidade de vereadores. É evidente que isso é positivo, porque fortalece a nossa legenda, que ganha musculatura, ganha peso para apresentar nomes e disputar mandatos majoritários. Não tenha dúvidas de que já estamos montando nosso planejamento para as eleições do próximo ano.

Segundo Jeferson, Ulices Andrade não deve falar de sucessão, mas o apoia: “O tenho como um quadro qualificado, preparado e pronto para qualquer empreitada de Estado”
DA VISÃO PESSOAL QUEM TEM DE BELIVALDO CHAGAS
“Belivaldo Chagas é um grande líder. É um amigo e não chegou ao comando do Estado por acaso. Ele ganhou a confiança do partido e do grupo. É um cara partidário e que nos deixa à vontade para trabalhar a política e as questões de Estado”


JLPolítica - Como figura de maior visibilidade na estrutura do PSD, como é que o governador Belivaldo Chagas se comporta enquanto um filiado? Ele é um bom partidário?
Jeferson Andrade -
Belivaldo Chagas é um grande líder. É um amigo, e não chegou ao comando do Estado por acaso. Ele ganhou a confiança do partido e do grupo. É um cara partidário e que nos deixa à vontade para trabalhar a política e as questões de Estado.

JLPolítica - O que é que o PSD pensa para si enquanto partido na sucessão estadual de 2022?
Jeferson Andrade -
Nós respeitamos solenemente muito os demais partidos da nossa base aliada, mas temos consciência da nossa importância e do nosso tamanho hoje neste contexto. O PSD tornou-se um “gigante” na política de Sergipe e a nossa meta é a de apresentar uma alternativa ao povo para continuar no comando do Estado. Temos nomes e projetos.

JLPolítica - Mas para o senhor, o PSD, dentro do bloco partidário no qual ele está inserido, deve ser o partido a indicar o candidato ao Governo?
Jeferson Andrade -
Parto do princípio de que uma candidatura majoritária para o Governo de Sergipe depende de uma união de forças. Não fazemos imposições. Temos relações boas com todos os partidos e, no momento certo, vamos sentar, conversar, arrumar a casa e montar a chapa que Sergipe merece e exige.

Para Jeferson Andrade, “Belivaldo Chagas é um grande líder” e “um cara partidário e que nos deixa à vontade para trabalhar a política e as questões de Estado”
CHANCE DE GOVERNISTAS ELEGEREM O GOVERNADOR
“Nosso grupo político é muito forte e reúne totais condições de continuar governando Sergipe a partir de 2023 como consequência das eleições de 2022. Quando o PSD é o mais votado em 2020, isso já significa e sinaliza que o nosso partido está em sintonia com o povo”


JLPolítica - Unidos, quais as chances de os representantes desse bloco fazerem o sucessor de Belivaldo Chagas ano que vem?
Jeferson Andrade -
Nosso grupo político é muito forte e reúne totais condições de continuar governando Sergipe a partir de 2023 como consequência das eleições de 2022. Quando o PSD é o mais votado em 2020, isso já significa e sinaliza que o nosso partido está em sintonia com o povo. E isso, efetivamente, aumenta a nossa responsabilidade. Portanto, eu aposto, sim, que vamos vencer em 2022. Lá na frente o governador Belivaldo Chagas reunirá o grupo e discutiremos a sucessão. O momento requer foco na pandemia. Creio que devemos deixar a política para depois e para a hora certa.

JLPolítica - Como o senhor encara as afirmações de bastidores que apontam o conselheiro Ulices Andrade e seu pai como um pré-candidato ao Governo do Estado?
Jeferson Andrade -
Como disse lá atrás, não gosto de ficar fazendo análise no campo das especulações. Meu pai é hoje conselheiro do Tribunal de Contas. Hoje ele não pode se manifestar neste sentido. Ele não falou em candidatura e isso é uma decisão pessoal. Agora para o que ele decidir, terá, obviamente, todo o meu apoio.

JLPolítica - Ressalvado o silêncio que o próprio UIices se impõe, por dever de ofício de estar conselheiro, quais as chances de sucesso eleitoral que o senhor vê nele uma vez desimpedido de disputar?
Jeferson Andrade -
Meu pai é um homem vencedor, um líder nato e amigo. Graças à sua postura, ele chegou ao TCE e deixou a política partidária de lado. Se ele decidir retornar a essa atividade, aí eu comentarei. Mas desde já não posso deixar de dizer que eu o tenho, apesar da suspeição que recai sobre mim, como um quadro qualificado, capaz, preparado e pronto para qualquer empreitada de Estado.

É assim que Jeferson vê Fábio Mitidieri: “É o político que mais cresceu em Sergipe e preenche todos os requisitos para disputar o Governo”
COMO VÊ AS DIMENSÕES POLÍTICAS DE FÁBIO MITIDIERI
“Fábio Mitidieri é outro grande líder do nosso agrupamento. O cara montou um grupo gigantesco em torno de si em todo o Estado. É o político que mais cresceu em Sergipe e preenche todos os requisitos necessários para disputar o Governo do Estado”


JLPolítica - O senhor acha que o deputado federal Fábio Mitidieri está candidato de verdade ao Governo ou apenas fazendo cena para levar uma vaga de conselheiro do TCE?
Jeferson Andrade -
O deputado Fábio Mitidieri é outro grande líder do nosso agrupamento. O cara montou um grupo gigantesco em torno de si em todo o Estado. É o político que mais cresceu em Sergipe e preenche todos os requisitos necessários para disputar o Governo do Estado. Mas tudo será posto na mesa com as presenças de todos os líderes do grupo e do governador Belivaldo Chagas. Reitero: tudo na hora certa. 

JLPolítica - Como presidente do PSD, senhor tem conversado com Katarina Feitoza sobre a condição dela como vice-prefeita de Aracaju? Ela está se sentindo bem na função?
Jeferson Andrade -
Katarina Feitoza é uma grande amiga e vamos respeitar o tempo dela. Ela não vem de uma família política, mas tem experiência de gestão e está ajudando o prefeito Edvaldo Nogueira a comandar Aracaju. Creio que esteja, sim, se sentindo bem.

JLPolítica - Por uma questão de origem e de base eleitoral, o senhor é um usuário constante da BR-101, no sentido Norte. Como vê a eterna demora pela duplicação dela?
Jeferson Andrade -
Com preocupação. É uma obra iniciada sim na gestão de Fernando Henrique Cardoso, que passou um bom tempo parada, mas que vem avançando. Infelizmente, os sergipanos acumularam milhares de prejuízos por causa da demora na conclusão dessa obra. Sou usuário, sim, dessa e de outras rodovias. Prefeitos, vice-prefeitos e vereadores nos cobram com frequência e nós repassamos as demandas para a nossa bancada federal.

Jeferson Andrade não cobiça o posto de Luciano Bispo: “Nos ensina a cada dia. Ele compartilha saberes e tem o dom de ouvir as pessoas e de agir como conciliador”
“ULICES É CAPAZ E PRONTO PRA QUALQUER EMPREITADA DE ESTADO”
“Meu pai é um homem vencedor, líder nato e amigo. Graças à sua postura, chegou ao TCE e deixou a política partidária de lado. Se ele decidir retornar a essa atividade, aí eu comentarei. Mas não posso deixar de dizer que o tenho como um quadro qualificado, capaz, preparado e pronto para qualquer empreitada de Estado”


JLPolítica - Não caberia a Alese cobrar mais unidade e mais ação dos 11 membros sergipanos do Congresso Nacional pelas BR-101 e 235, pelo Canal de Xingó e por outras obras estruturantes do Estado?
Jeferson Andrade -
Devo dizer que existe muita unidade na Alese nesse sentido. Temos posições políticas diversas, ali é uma casa plural, mas temos também as pautas que nos unem. Tanto as BRs referidas por sua pergunta quanto o Canal de Xingó são pautas expressivas e comuns no nosso parlamento. E, justiça seja feita, nossa bancada federal tem se mantido atuante e vigilante neste sentido.

JLPolítica - Nos últimos 15 anos o Estado de Sergipe se firmou como um grande produtor de milho do Nordeste. O senhor identifica políticas públicas positivas do Governo do Estado para esse segmento no sentido da produção em si, do armazenamento e da comercialização?
Jeferson Andrade -
O governador Belivaldo Chagas prorrogou o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços - ICMS - em 2% sobre a venda de milho nas operações internas e interestaduais em Sergipe. Este ano a produção e a produtividade prometem ser recorde no Estado, e com essa medida ele quis fortalecer ainda mais a competitividade da produção e a manutenção dos números positivos para Sergipe. É uma política pública que estimula a economia e o combate à sonegação.

JLPolítica - Por que o senhor defende que, depois de imunizadas contra a Covid-19 as camadas mais idosas da população brasileira deve-se priorizar a vacinação dos pessoas em condição de mercado de trabalho?
Jeferson Andrade -
Sou defensor de que a saúde e a economia devem caminhar juntas. Devem vacinar os grupos prioritários, de idosos e as pessoas de risco, mas alternando entre os mais jovens que precisam trabalhar, que estão na linha de frente e temem pelo desemprego. Temos que pensar em todos, de uma maneira igual. Ninguém sabe o sofrimento do próximo. E tem muita gente morrendo de fome, infelizmente.

JLPolítica - Agrada-lhe o modo como o Governo do Brasil se portou diante da pandemia do coronavírus desde o ano passado?
Jeferson Andrade -
Não me agrada. Acho que o presidente da República cometeu uma série de equívocos no ano passado quando não priorizou a vacinação em massa e hoje as consequências estão aí fora. O problema também é que tem muita gente politizando uma pandemia, quando estamos todos assustados com os registros e os índices de infectados e de mortos pela Covid-19 no Brasil. Não resta dúvida de que está faltando mais humanidade nesta hora.

 

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.