José de Araújo, Juca: “Encontramos uma Laranjeiras abandonada e uma dívida que beira os R$ 50 milhões”

Entrevista

Jozailto Lima

Compartilhar

José de Araújo, Juca: “Encontramos uma Laranjeiras abandonada e uma dívida que beira os R$ 50 milhões”

23 de janeiro de 2021
“Vamos reconstruir Laranjeiras e trazer de volta o desenvolvimento pra toda população”

A radiografia do estrago deixado pela gestão anterior no município de Laranjeiras e encontrado pelo novo prefeito José de Araújo, Juca, MDB, não é das mais animadoras. Aliás, é muito da preocupante. “Encontramos uma Laranjeiras abandonada”, diz ele.

“Temos problemas de falta d’água, de esgotamento sanitário, prédios públicos destruídos, trabalhadores com salários atrasados e uma dívida que beira os R$ 50 milhões referente a encargos trabalhistas, empréstimos consignados, INSS e outras obrigações”, certifica Juca.

Mas, apesar dessa herança maldita deixada pelo ex-prefeito Paulão da Varzinhas, DEM, Juca não deixa a peteca cair, não vende esmorecimento e nem desesperança. Ao contrário: promete ação e recuperação para breve.

“Em menos de 30 dias de mandato, a nossa missão já se configurou como a de reorganizar Laranjeiras. Já realizamos mutirões de limpeza, melhorias na iluminação, colocamos os serviços de Saúde e Assistência Social para funcionar, consertamos parte da frota de veículos, levamos carros-pipa para bairros e povoados, assim como outras ações essenciais já estão funcionando”, diz o prefeito.

José de Araújo, Juca, está documentando tudo e comunicando o que vem identificando desse caos a todos os setores da vida de Sergipe que digam respeito à coisa pública - incluindo aí os próprios laranjeirenses.

Prefeito da cidade pela segunda vez, Juca demonstra otimismo, apesar de tudo isso. “Com muito trabalho, diálogo, responsabilidade e transparência, vamos superar a crise, a perda de arrecadação, elevar a autoestima da população e valorizar os servidores públicos nos próximos quatro anos”, compromete.

Juca com a mãe Maria Antonia Soares Leite, numa de suas duas formaturas
Juca com o deputado federal Fábio Reis, um dos 11 sergipanos com quem ele quer contar no Congresso Nacional

Juca estudou nas escolas públicas do município João Ribeiro e Cônego Filadelfo Jonathas de Oliveira, onde deu os primeiros passos para a formação humana.

Desde criança ele acompanhou a atuação do pai Tonho Bala como homem público – o velho fora vereador de Laranjeiras por cinco mandatos, vice-prefeito e secretário municipal.

“Meu pai fazia da política uma forma de ajudar as pessoas e ao seu município. Foi com ele que aprendi a gostar de servir ao próximo. Desde jovem comecei observando a dedicação de meu pai no exercício de seus mandatos de vereador, vice-prefeito e secretário municipal, fatos que serviram de inspiração e motivação para meu ingresso na vida pública”, diz.

Para tristeza geral e dor da família dele e dos amigos, Tonho Bala foi assassinado em 2005. Como filho mais velho, Juca teve que conviver com a perda e, ao mesmo tempo, ajudar na criação dos seus seis irmãos.

Quando o pai foi assassinado, Juca já estava no primeiro ano do mandato de vereador, obtido em 2004. Em 2008, elegeu-se vice-prefeito de Laranjeiras, e quatro depois estava prefeito, indo com o  mandato até 2016.

“Na vida particular, sempre gostei de números e planejamento. Comecei trabalhando em um escritório de contabilidade, passando a ser o responsável pelo setor. Mais tarde abri minha própria empresa de auditoria e contabilidade pública, prestando serviços a diversas prefeituras e câmaras municipais, proporcionando minha base de conhecimento e experiência em gestão pública”, diz.

A Entrevista com José de Araújo, Juca, vale a leitura.

Em audiência com o governador Belivaldo Chagas, de quem espera uma boa parceria nestes quatro anos
O RETRATO DO QUE QUE RECEBEU
“Encontramos uma Laranjeiras abandonada. Temos problemas de falta d’água, de esgotamento sanitário, prédios públicos destruídos, trabalhadores com salários atrasados e uma dívida que beira os R$ 50 milhões referente a encargos trabalhistas, empréstimos consignados, INSS e outras obrigações”


JLPolítica - Mas, finalmente, é tão feio o quadro de desmandos deixado pela ex-gestão de Laranjeiras?
José de Araújo, Juca - É. Encontramos uma Laranjeiras abandonada. Temos problemas de falta d’água, de esgotamento sanitário, prédios públicos destruídos, trabalhadores com salários atrasados e uma dívida que beira os R$ 50 milhões referente a encargos trabalhistas, empréstimos consignados, INSS e outras obrigações.

JLPolítica - E é de se fazer o quê agora?
José de Araújo, Juca - Mesmo com toda a dificuldade, continuamos empenhados e focados na reconstrução de Laranjeiras, pagando os servidores em dia e resgatando a autoestima da nossa gente, porque, acima de tudo, a nossa gestão tem coragem, responsabilidade e compromisso com os 30 mil habitantes que sofreram durante os últimos quatro anos.

JLPolítica - A sua gestão já conseguiu fechar qual a real situação das dívidas?
José de Araújo, Juca -
Como falei anteriormente, chega a aproximadamente R$ 50 milhões. Mas a minha maior preocupação é conseguir quitar o salário de dezembro de 2020 e o 13º deixados pelo ex-prefeito Paulão. Estamos, inclusive, buscando adquirir um empréstimo bancário, pois a arrecadação atual não tem suporte para pagar a folha atual e mais duas passadas. Infelizmente, mesmo com dinheiro em caixa, uma vez que a Prefeitura de Laranjeiras arrecadou cerca de R$ 18 milhões em novembro e dezembro de 2020, o ex-prefeito não efetuou o pagamento dos trabalhadores. Aliás, priorizou pagamento de fornecedores.

O Juca garoto, numa das atividades escolares
ABUSO DA MIGRAÇÃO DOS RECURSOS DA GESTÃO
“No mês de dezembro, o então prefeito Paulão migrou dinheiro de várias contas da Prefeitura para a conta do FPM. Somente do Fundeb foram cerca de R$ 3 milhões. Desde o período de transição, estamos apurando tudo, organizando a casa. A nossa gestão é transparente e já comunicamos os fatos aos servidores, professores e ao Ministério Público”


JLPolítica - Nessa situação, como fica o salário do mês de janeiro?
José de Araújo, Juca -
Mesmo com a situação que relatei, conseguimos fazer um enorme esforço e pagar a todos os servidores efetivos até o dia 21. Apenas uma parte dos professores, que recebem pelo Fundeb, cujas contas foram bloqueadas por decisão judicial, é que ainda não receberam. Um bloqueio que se deu porque a gestão passada descontou o valor do empréstimo bancário no salário do funcionalismo e não repassou para o banco. No mês de dezembro, o então prefeito Paulão migrou dinheiro de várias contas da Prefeitura para a conta do FPM. Somente do Fundeb, por exemplo, foram cerca de R$ 3 milhões. Desde o período de transição, estamos apurando tudo, organizando a casa. A nossa gestão é transparente e já comunicamos os fatos aos servidores, professores e ao Ministério Público.

JLPolítica - De onde vêm os valores para a composição dessas dívidas do município?
José de Araújo, Juca -
Todos os valores citados, foram apurados pela nossa equipe financeira, através de extratos bancários e uma auditoria interna que estamos realizando no município. Se existir um culpado ou vários culpados, todos terão que responder pelos seus respectivos atos perante à justiça.

JLPolítica - É verdade que aí há valores do desconto da contribuição previdenciária dos servidores não repassados pelo Governo Municipal?
José de Araújo, Juca -
Sim. É verdade. Neste valor dos R$ 50 milhões está incluído esse passivo, com dívida de salários, encargos trabalhistas, contribuição previdenciárias e empréstimos consignados, que a gestão anterior descontava dos vencimentos dos servidores e não repassava às instituições financeiras.

Durante a campanha de 2020, Juca grava e interage com os jovens laranjeirenses
TRANSPARÊNCIA E JUSTIÇA NA QUESTÃO
“Todos os fatos apurados são de conhecimento do Ministério Público e dos órgãos de controle e fiscalização. Quem vai decidir o tipo de responsabilização - criminal ou administrativa - é o Judiciário, baseado na documentação apresentada. Estamos fazendo nossa parte, mas cada laranjeirense é sabedor do que foi feito e do que não foi feito pela gestão anterior”


JLPolítica - Isso pode gerar responsabilização criminal para o ex-gestor da cidade?
José de Araújo, Juca -
Todos os fatos apurados são de conhecimento do Ministério Público e dos órgãos de controle e fiscalização. Quem vai decidir o tipo de responsabilização - criminal ou administrativa - é o Judiciário, baseado na documentação apresentada a cada órgão. Estamos fazendo a nossa parte, mas cada laranjeirense é sabedor do que foi feito e do que não foi feito pela gestão anterior. Esperamos apenas que a justiça seja feita.

JLPolítica - Qual foi o maior impasse durante a transição de Governo, ou sequer houve essa transição?
José de Araújo, Juca -
O ex-prefeito Paulão não demonstrou interesse em dialogar comigo, tampouco esclarecer dúvidas que surgiam diariamente no período de transição. Fiquei bastante tranquilo com nossa equipe de transição, coordenada pelo nosso vice-prefeito Jânio Dias. Mas como qualquer transição que ocorre para um agrupamento de oposição, tivemos dificuldades no acesso às informações necessárias. A gestão anterior não agia com compromisso e transparência. A nossa equipe se esforçou bastante, mas nem todas as informações foram prestadas, tanto é que fizemos uma representação no Ministério Público Estadual comunicando os fatos, já que a Resolução 338/2020 não foi cumprida na sua totalidade. Sem dúvida, o nosso maior impasse foi o fornecimento de documentos e a falta de organização da ex-gestão.

JLPolítica - Como um ex-prefeito da cidade, qual o grau de culpa que o senhor teria nessas dificuldades financeiras de Laranjeiras hoje?
José de Araújo, Juca -
A minha primeira gestão foi feita de forma organizada e com planejamento. Quando eu saí da Prefeitura em 2016, não deixei um servidor sequer sem receber o salário de dezembro e nem o 13º. Aliás, como forma de premiar o servidor e diluir os pagamentos no último mês do ano, os pagamentos de 13º eram realizados nas respectivas datas de aniversário de cada trabalhador.

A família nunca descuidou da formação religiosa do menino Juca
DO QUE FOI POSSÍVEL EM MENOS DE 30 DIAS
“Em menos de 30 dias de mandato já realizamos mutirões de limpeza, melhorias na iluminação, colocamos os serviços de Saúde e Assistência Social para funcionar, consertamos parte da frota de veículos, levamos carros-pipa povoados. Vamos continuar trabalhando para reconstruir Laranjeiras e trazer de volta o desenvolvimento para toda a população”


JLPolítica - Sua gestão teve responsabilidade com os encargos?
José de Araújo, Juca -
Todos os encargos trabalhistas, empréstimos consignados, férias e outros benefícios eram pagos rigorosamente em dia. Com responsabilidade e planejamento, vamos honrar os compromissos. É importante ressaltar ainda que, em menos de 30 dias de mandato já realizamos mutirões de limpeza, melhorias na iluminação, colocamos os serviços de Saúde e Assistência Social para funcionar, consertamos parte da frota de veículos, levamos carros-pipa para bairros e povoados, assim como outras ações essenciais já estão funcionando. Vamos continuar trabalhando para reconstruir Laranjeiras e trazer de volta o desenvolvimento para toda a população.

JLPolítica - Sua gestão anterior foi marcada por obras. Nessa atual, com esse quadro de crise, pretende manter essa mesma característica?
José de Araújo, Juca -
Realmente é um desafio, mas os investimentos na infraestrutura de Laranjeiras são mais que uma prioridade. São uma emergência. Nem mesmo aquilo que construímos o ex-prefeito conseguiu conservar e manter o funcionamento para a população. Como o caixa da Prefeitura está comprometido, iremos buscar convênios para investimentos com recursos estaduais e federais. Prova disso foi que no último dia 19 retornei à praça da rua Engenheiro Xavante para autorizar a retomada das obras de revitalização do local, que será mais um novo PEC – Ponto de Encontro Comunitário de Laranjeiras. O projeto nasceu de uma vontade que sempre tive, a de revitalizar as praças do centro histórico. Conseguimos a aprovação da Caixa Econômica Federal e fizemos a licitação ainda em 2015. Não iniciamos as obras porque precisávamos aguardar o aporte financeiro do Governo Federal. Deixamos todos os recursos necessários, cabendo à então nova gestão dar continuidade e executar o projeto entre 2017 e 2020, o que jamais foi feito. Mais um novo espaço de lazer que contará com calçadas e acessibilidade, canteiros, ajardinamento e plantio de árvores, recuperação da estrutura metálica; construção de novo piso, de alambrado, traves de futebol, postes para rede de vôlei; refletores e rede de proteção na quadra, academia aberta, parque infantil, e iluminação da praça com quatro postes. É dessa forma que iremos avançar com novas obras na cidade e nos povoados.

JLPolítica - Mas qual é a grande demanda do município de Laranjeiras no aspecto geral da gestão?
José de Araújo, Juca -
Em menos de 30 dias de mandato, a nossa missão já se configurou como a de reorganizar Laranjeiras. Com muito trabalho, diálogo, responsabilidade e transparência, vamos superar a crise, a perda de arrecadação, elevar a autoestima da população e valorizar os servidores públicos nos próximos quatro anos. Nestas primeiras semanas, já conseguimos fazer mutirões de limpeza urbana, poda, varrição e recolher os entulhos e lixos, que estavam por toda a cidade, estamos solucionando o problema de falta d’água, com abastecimento através de carros-pipa e manutenção de poços artesianos, assim como estamos buscando junto à Deso ampliar e fazer a manutenção das redes de distribuição, além de recuperar um convênio no valor de R$ 1 milhão com a Funasa para a execução de melhorias no abastecimento de água. Também já tivemos uma reunião com o secretário de Estado do Desenvolvimento Urbano, Ubirajara Barreto e tratamos de obras de drenagem e pavimentação em Pedra Branca. Na nossa primeira gestão, já demos início a esses projetos tão importantes e algumas obras foram executadas, a exemplo da drenagem profunda. Agora, com essa força-tarefa que estamos buscando com o Governo do Estado, através da Sedurbs, vai ser possível trazer esgotamento sanitário para toda Pedra Branca. Quero proporcionar ainda mais avanços à toda população. Estamos trabalhando desde os primeiros dias de mandato e buscando regularizar os atendimentos nas unidades de saúde, a distribuição gratuita de medicamentos, retomar programas sociais importantes, estruturar as escolas para o início do ano letivo e muito mais.

Desde 2004, quando se elege vereador: Juca tem boa relação com a comunidade laranjeirense
EM BUSCA DE PARCERIAS PARA OBRAS
“Na minha primeira gestão, fiz muito mais obras estruturantes em apenas quatro anos do que os antigos gestores em 30, exceto o saudoso Antônio Carlos Franco, que trabalhou e até hoje é uma marca registrada de gestão eficiente. Se não tivermos recursos próprios vamos firmar parcerias e buscar junto aos Governos do Estado e Federal e iniciativa privada”


JLPolítica - Do que a comunidade e a gestão de Laranjeiras mais necessitam hoje e que não pode ser resolvido só com a ação municipal?
José de Araújo, Juca -
Sem dúvida, as obras estruturantes como a macrodrenagem, pavimentação asfáltica, sistema de esgotamento sanitário, construção de escolas, unidades básicas de saúde, PEC’s, abastecimento de água, e muito mais. Na minha primeira gestão, fiz muito mais obras estruturantes em apenas quatro anos do que os antigos gestores em 30 anos, exceto o saudoso Antônio Carlos Franco, que trabalhou e até hoje é uma marca registrada de gestão eficiente em Laranjeiras. Mas, se não tivermos recursos próprios, vamos firmar parcerias e buscar recursos junto ao Governo do Estado, Governo Federal e iniciativa privada. Tenho certeza, assim como foi na primeira, de que faremos uma gestão de sucesso e vamos deixar a nossa marca, já que o povo me reconduziu de volta à Prefeitura com uma vitória significativa nas urnas, derrotando os maiores grupos políticos de Laranjeiras.

JLPolítica - O senhor espera uma atenção diferenciada do Governo do Estado para com Laranjeiras nessa hora e durante os próximos quatro anos?
José de Araújo, Juca -
O governador Belivaldo Chagas é um parceiro político e espero que consiga também ser um parceiro da nossa gestão. Já estive em reunião com ele para pleitear melhorias para os laranjeirenses. Assim como já dialogamos para encontrar uma solução no pagamento dos servidores públicos. Não só Belivaldo está à nossa disposição, mas toda a equipe de secretários do Estado. Qualquer projeto que a nossa equipe fizer e precisar de recursos de outras esferas governamentais, vamos humildemente solicitar aos respectivos representantes. O que está em jogo não é pra mim. Mas sim para o povo da minha querida Laranjeiras.

JLPolítica - De quem dos 11 representantes do Estado do Congresso Nacional o senhor espera uma maior ajuda para a cidade?

José de Araújo, Juca - De todos. Baterei em todos os gabinetes em Brasília, tanto dos oito deputados quanto dos três senadores sergipanos, em busca de recursos para Laranjeiras. Entendo que quem foi eleito pelo voto democrático deve trabalhar por todo o Estado e todos os municípios de Sergipe. Logicamente que temos uma parceria maior com o deputado federal Fábio Reis, do nosso partido. E desde a nossa primeira gestão, Fábio tem sido correto com o povo de Laranjeiras, destinando emendas parlamentares que se transformaram em obras e ações. Na semana passada, recebemos dois ônibus escolares destinados por este deputado para o nosso município. Tenho certeza que, mais uma vez, faremos uma parceria longa e positiva.

Com o pai Tonho Bala, uma harmonia que saltou da vida real para a política
APOIO DOS 11 DO CONGRESSO E DE ZEZINHO NA ALESE
“Baterei em todos os gabinetes em Brasília, tanto dos oito deputados quanto dos três senadores em busca de recursos para Laranjeiras. Entendo que quem foi eleito pelo voto democrático deve trabalhar por todo os municípios de Sergipe. Espero que, independentemente de quem está na gestão municipal, o deputado Zezinho trabalhe pensando no coletivo, no bem comum”


JLPolítica - E da Alese? Como é que entra o deputado Zezinho Sobral aí?
José de Araújo, Juca -
Zezinho é laranjeirense, conhece nosso município e o nosso povo. Não temos mais uma parceria política, mas a Prefeitura é responsável pela vida de 30 mil pessoas e estará sempre aberta para recursos e projetos que beneficiem nossa população. Espero que, independentemente de quem está no comando da gestão municipal, o deputado Zezinho trabalhe pensando no coletivo, no bem comum.

JLPolítica - Laranjeiras tem perdido importância e densidade no aspecto industrial. Isso acarreta o que?

José de Araújo, Juca - Principalmente no desemprego e na queda da arrecadação. E um dos nossos compromissos de campanha e que já estamos colocando em prática é o de buscar mais indústrias e gerar empregos e renda para a nossa população. Colocamos à frente dessa Secretaria Especial o nosso vice-prefeito Jânio Dias, que tem bastante experiência no setor industrial. Infelizmente, nos últimos quatro anos os laranjeirenses sofreram bastante e o município estagnou por falta de gestão. Tenho certeza de que em um ano a população vai perceber o quanto Laranjeiras estará diferente. A partir do momento que tivermos grandes indústrias ou grandes empresas, cria-se naturalmente uma cadeia produtiva, com a geração de renda para muitas famílias. Portanto, essa também é uma perda significativa.

JLPolítica – Mas tem algo novo nesta linha industrial programado para a cidade?

José de Araújo, Juca - O que temos de real é a reabertura da Fafen através da Unigel, agora no começo de fevereiro, quando retorna a produção. E com isso, toda a cadeia produtiva que fica ao redor da fábrica, na BR-101, como misturadoras, borracharias, oficinas, pousadas, também vai voltar a funcionar.

Na abertura do encontro cultural de Laranjeiras de 2021: Juca aposta no turismo cultural da cidade
O QUE ESPERAR DE QUEM VAI SUCEDER A FAFEN
“Inicialmente a Unigel irá produzir amônia e ureia, sendo que em junho entra em operação outra unidade, com a produção de sulfato de amônia. Isso irá gerar um retorno daqueles recursos que foram perdidos não só pelo município, mas também pelo Estado, o que significa uma excelente notícia para Laranjeiras e seus moradores”


JLPolítica - Retorna como que missão?

José de Araújo, Juca -Inicialmente a Unigel irá produzir amônia e ureia, sendo que em junho entra em operação outra unidade, com a produção de sulfato de amônia. Isso irá gerar um retorno daqueles recursos que foram perdidos não só pelo município, mas também pelo Estado, o que significa uma excelente notícia para Laranjeiras e seus moradores. Fala-se também na reativação de uma linha de produção da fábrica de cimento, que está sendo acompanhada pelo nosso vice-prefeito. E temos ainda a construção de unidades industriais – galpões - para a comercialização de aluguel, na BR-101.  

JLPolítica – Seu Governo tem algum planejamento junto ao Governo do Estado para retomar projetos industriais?

José de Araújo, Juca - O Governo de Sergipe lançou no ano passado o Plano de Desenvolvimento Industrial na região do Vale do Cotinguiba. Os municípios precisam participar, aprovando seus respectivos projetos na Câmara Municipal. Já está acordado que essa será uma prioridade no retorno do recesso agora em fevereiro, inclusive com a realização de uma sessão especial com a vinda de técnicos do governo para detalhar o projeto para os parlamentares. Da parte da prefeitura, estaremos viabilizando todos os incentivos necessários para que as indústrias se instalem nessa faixa, que vai da ponte no bairro Pedra Branca, divisa com Maruim, até a rotatória na divisa com Nossa Senhora do Socorro, na BR-101.

JLPolítica - A morte da Fazenda Boa Luz, enquanto equipamento de turismo, trouxe algum impacto negativo para as finanças e a importância turística do município?

José de Araújo, Juca - Sem dúvida, o fechamento de um eco parque do tamanho do da Boa Luz causa um impacto na arrecadação do município. Na questão turística, temos um grande potencial em turismo religioso e cultural, em que os visitantes têm a oportunidade de vivenciar em Laranjeiras um museu à céu aberto, com igrejas e um conjunto arquitetônico tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - Iphan. É preciso destacar também que somos o berço da cultura sergipana, com manifestações importantes preservadas até os dias atuais. Infelizmente, o turismo tem sido o setor da economia mais afetado com a pandemia. E em Laranjeiras, ainda temos o agravante do rombo financeiro deixado pela gestão passada. Mas aos poucos, e com os pés no chão, iremos revitalizar esse importante setor. Vamos firmar parcerias, buscar recursos e viabilizar os incentivos necessários para tornar nosso turismo um negócio pujante e que traga emprego e renda para a nossa população.

Juca e dona Maria Antônia, a mãe, num dia de evento na OAB
O PODER DO AÇÚCAR É MANTIDO E IMPORTANTE
“A produção açucareira em Laranjeiras ainda é uma atividade em ascensão, gera milhares de empregos e arrecadação para o município, além de uma cadeia produtiva em torno do produto. Hoje há apenas a Usina Pinheiro em atividade, mas sem dúvida é de grande importância para o município”


JLPolítica - Tem havido evolução na atividade açucareira ou ela está estanque?

José de Araújo, Juca - A produção açucareira em Laranjeiras ainda é uma atividade em ascensão, gera milhares de empregos e arrecadação para o município, além de uma cadeia produtiva em torno do produto. Hoje há apenas a Usina Pinheiro em atividade, mas sem dúvida é de grande importância para o município.

JLPolítica - Mas qual é hoje o papel do açúcar na economia de Laranjeiras?

José de Araújo, Juca - Em torno de quatro mil famílias vivem diretamente da produção do açúcar, com os seus respectivos empregos na usina. Além disso, a atividade também beneficia indiretamente os laranjeirenses, através da sua cadeia produtiva e assim, a Prefeitura arrecada mais impostos. Um ponto bastante importante, que também merece destaque, é que os trabalhadores compram no comércio local e fazem a economia circular ainda mais.

JLPolítica - O que o senhor espera do futuro da Fafen?

José de Araújo, Juca - Por uma decisão da Petrobras, a Fafen deixou de existir, como é de conhecimento de todos. Quem assumiu o comando foi o grupo Unigel, que pretende retomar as atividades em breve. Por isso, temos uma expectativa muito boa. Tanto eu quanto o vice-prefeito Jânio Dias já tivemos reunião na sede da empresa e ficamos bastante satisfeitos, porque fizemos um pedido e os empresários estão nos atendendo, que é a contratação dos laranjeirenses em 80% das vagas. Não é justo termos uma empresa instalada em Laranjeiras e ter trabalhadores de outros municípios ocupando a maioria das vagas. 

Juca e seu vice-prefeito Jânio Dias: uma dupla que quer correr atrás do tempo perdido de Laranjeiras
DOS PREJUÍZOS QUE VIERAM COM FIM DA FAFEN
“Com o fechamento da fábrica de fertilizantes, a economia de Laranjeiras foi bastante afetada e, na verdade, ainda está sendo. Perdemos muitos postos de trabalho. Os reflexos positivos, através do retorno das atividades pela Unigel só iremos ter daqui a dois anos, que é o período de equilíbrio de toda a cadeia produtiva e o retorno efetivo dos impostos”


JLPolítica - O senhor estima que o fechamento da empresa trouxe que impacto para o município?

José de Araújo, Juca - Com o fechamento da fábrica de fertilizantes, a economia de Laranjeiras foi bastante afetada e, na verdade, ainda está sendo afetada. Os reflexos positivos do trabalho, através do retorno das atividades pela empresa Unigel, que assumiu o comando, só iremos ter daqui a dois anos, que é o período de equilíbrio de toda a cadeia produtiva e o retorno efetivo dos impostos. Com o fechamento da fábrica, também perdemos muitos postos de trabalho e, com isso, muitas famílias tiveram que que se reinventar, procurar outras atividades. Muitas também passaram necessidade.

JLPolítica - Como é que está a situação de Laranjeiras no contexto do consórcio do lixo? Os resíduos sólidos são um problema em que grau para a cidade?

José de Araújo, Juca - Laranjeiras faz parte do Consórcio da Grande Aracaju, porém na gestão do ex-prefeito não desenvolveu muitas ações em parceria com a instituição. É nosso objetivo buscar um entendimento para uma maior atuação do consórcio em Laranjeiras. Hoje, todos os oito municípios consorciados não possuem mais lixão e levam seus resíduos para um aterro privado em Rosário do Catete. O Consórcio também está buscando viabilizar um aterro próprio para baratear esse custo. Nossa intenção também é retomar com a cooperativa de catadores, gerando renda para essas pessoas, e assim implantar a coleta seletiva, diminuindo a quantidade de resíduos destinada ao aterro. Vamos também intensificar no município, através da Secretaria de Meio Ambiente em parceira com consórcio, um trabalho de educação ambiental em toda cidade.

JLPolítica - Qual é a situação do município, entre mortos e curados, frente ao coronavírus?

José de Araújo, Juca - Em Laranjeiras, o número de casos confirmados é de quase 500, com 25 óbitos, e 415 pessoas já venceram a Covid-19. Mas é importante ressaltar que a nossa gestão continua orientando a população a tomar todos os cuidados de prevenção ao coronavírus, seja com a atuação presencial dos profissionais na feira-livre e em espaços públicos, como também por telefone, através dos serviços para tirar dúvida. Também disponibilizamos uma UBS somente para o atendimento aos casos de suspeita de Covid e o laboratório para a realização dos exames das pessoas que apresentarem sintoma da doença. Nos últimos dias, tivemos a alegria de executar o plano municipal de imunização, com a chagada da tão esperada vacina. Neste primeiro momento, iremos imunizar apenas os profissionais da linha de frente da saúde e à medida que chegarem mais doses da Coronavac, vamos vacinando outros grupos prioritários, conforme recomendam as autoridades de saúde em todo o mundo.

Juca com o pai que, como ele, também foi vice-prefeito de Laranjeiras: diplomas que marcam
SOMENTE R$ 115 MILHÕES POR ORÇAMENTO. E OLHE LÁ!
“O orçamento para o exercício 2021 é de R$ 115 milhões. No entanto, acredito que, diante do quadro em que pegamos o município e da atual conjuntura econômica do país, será pouco provável que tenhamos essa arrecadação, até mesmo levando em conta o que foi arrecadado em 2020. Esse será um ano nada fácil para as finanças municipais”


JLPolítica - Qual foi a previsão orçamentária deixada pela gestão passada para 2021, e será possível realizá-la?

José de Araújo, Juca - O orçamento para o exercício 2021 é de R$ 115 milhões. No entanto, acredito que, diante do quadro em que pegamos o município e da atual conjuntura econômica do país, será pouco provável que tenhamos essa arrecadação, até mesmo levando em conta o que foi arrecadado no exercício de 2020. Esse será um ano nada fácil para as finanças municipais.

JLPolítica - Mas há como tentar incrementar?

José de Araújo, Juca - Sim. Buscaremos incrementar nossa receita para conseguir que ela seja pelo menos superior à do ano passado e, quem sabe, chegar ao valor estimado de 2021. Estamos buscando incrementar tributos do município, a exemplo do ISS, realizando um levantamento e vendo onde podemos melhorar. Se chegarmos à mesma arrecadação de 2020 já será um grande resultado.

JLPolítica - O senhor é conhecido como Juca de Bala - uma referência ao apelido do seu pai - e aparece com novo mandato sob o nome de José de Araújo. Isso não causa prejuízo à sua imagem?

José de Araújo, Juca - Na verdade, em nossas redes sociais e nas ruas somos tratados por Juca. O “de Bala” aposentamos em 2016, já que não havia um sentido claro sobre ele e gerava até uma dubiedade. O José de Araújo é usado apenas por nossa assessoria de comunicação nas matérias enviadas para a imprensa.

 

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.