Entrevista

Jozailto Lima

Compartilhar

Sérgio Sobral: “A intermediação imobiliária não parou nessa pandemia”

20 de março de 2021
“Estamos carentes de políticas governamentais que incentivem ainda mais a construção civil”

Uma instituição marcada por inovações constantes, enfrentamentos de questões do cotidiano que melhorem a vida dos corretores de imóveis e das pessoas que com eles se relacionem no próspero mercado imobiliário e sempre em busca constante de avanços.

Assim é o Conselho de Corretores de Imóveis do Estado de Sergipe - Creci-Se. E o é há muito tempo - talvez a partir de 2022, quando sofre uma intervenção pelo grupo que o comanda ainda hoje.

Mas tem sido muito mais ativo agora e recentemente no enfrentamento à pandemia do coronavírus e na geração de meios para que todos - corretores e consumidores - se saiam bem e não sintam o tranco que ameaçou todos os segmentos da vida e da economia de Sergipe e do Brasil.

E à frente desta instituição está o seu presidente, um sujeito determinado, que não perde o foco diante de nada e com alto prestígio entre os colegas de Sergipe, ainda que vaze para além deste Estado e se projete nacionalmente perante o Cofeci - Conselho Federal dos Corretores de Imóveis -, no qual tem assento e é bem considerado.

Ele é Sérgio Sobral, 64 anos, um administrador de Empresas e empreendedor. Nada que diga respeito ao mercado imobiliário de Sergipe passa alheio à figura deste Sérgio - ele mesmo, além de corretor de imóveis, um incorporador com sua Construtora Jupiá.

Neste ano de 2021 deve haver renovação do comando do Creci de Sergipe para o triênio de 2022 a 2024. Depois de ter elevado o Creci a um patamar respeitável, Sérgio Sobral não foge de colocar seu nome à disposição dos mais de cinco mil profissionais da corretagem sergipana.

“Meu nome sempre esteve à disposição dos profissionais sergipanos, contudo, em nosso processo eleitoral não há votação direta para os cargos da Diretoria Executiva”, pondera Sérgio. A escolha é por um colegiado.

Sérgio Sobral, no comando do Creci desde 2002: “Meu nome sempre esteve à disposição dos profissionais sergipanos”
Sérgio Sobral e sua sempre Maria de Fátima Freire Sobral: tudo pelos negócios imobiliários

E mais: “O aplicativo i-Corretor para recadastramento e apresentação da carteira digital; o selo de avaliação digital; promovemos dezenas de cursos e palestras gratuitos online e, inauguramos a TV Creci Sergipe para a produção de conteúdos relevantes através de programação ao viavo e gravadas em nossos estúdios”, completa.

Nesta Entrevista, Sérgio Sobral faz uma análise do mercado imobiliário, dirá que as mulheres hoje avançam fortemente sobre a profissão de corretagem, fala das ações dos parceiros dos corretores em Sergipe e em Brasília e dos horizontes corporativos futuros que o Creci quer desbravar.

Sérgio Waldemar Freire Sobral nasceu no dia 30 de outubro de 1956, em Aracaju. Ele é filho de Fausto Waldemar Dias Sobral e de Vera Felizola Freire Sobral.

Casado com a empresária Maria de Fátima Freire Sobral, é pai de Fausto Waldemar Dias Sobral Neto, o Faustinho, de 39 anos, e de Manuela Silveira Freire Sobral, 32. É avô de Sofia, de 8 anos, e de Maria Eduarda, de 12.

Sérgio é graduado em Administração de Empresas desde 2005 e em Gestão Imobiliária em 2006 por uma universidade sergipana e tem pós-graduação em Marketing, Distribuição e Gestão Empresarial. É dono do registro de número 435 no Creci de Sergipe.

“Esse mercado representa quase 20% do PIB e movimenta inúmeros segmentos. Contudo, estamos carentes é de políticas governamentais que incentivem ainda mais a construção civil e a redução de juros nas linhas de crédito para aquisição dos imóveis”, diz. A Entrevista com Sérgio Sobral vale a leitura.

Em nome dos corretores de imóveis, Sérgio Sobral desbrava mitologias e enfrenta tormentas
O TAMANHO DO EXÉRCITO DO CRECI-SE
“Se formos considerar apenas credenciamento de pessoa física, o número de inscritos ultrapassa 5.500 profissionais. Porém, o número desses profissionais ativos é de 3.300 corretores”


JLPolítica - Quando os corretores de imóveis deverão renovar o comando da gestão do Creci de Sergipe?
Sérgio Sobral - O processo eleitoral do Sistema Cofeci-Creci é totalmente gerido pelo Conselho Federal, incluindo a publicação dos editais com as datas que ainda não foram definidas por causa dessa crise sanitária. Mas, considerando que a atual gestão compreende o triênio 2019 a 2021, ainda neste ano deverá ocorrer o processo para o triênio 2022 a 2024. 

JLPolítica - Quantos são hoje os profissionais de corretagem de imóveis no Estado de Sergipe?
Sérgio Sobral -
Se formos considerar apenas credenciamento de pessoa física, o número de inscritos ultrapassa 5.500 profissionais. Porém, o número desses profissionais ativos é de 3.300 corretores.

JLPolítica - Quem e em quais condições se tem direito a voto?
Sérgio Sobral -
Nos termos legais e regimentais, somente a pessoa física credenciada e regular perante o Conselho tem direito a voto, sendo este pessoal e indelegável.

Sérgio e Maria de Fátima Freire Sobral são dedicações perenes às questões dos corretores de Sergipe
DA DISPOSIÇÃO DE RENOVAR O COMANDO
“Meu nome sempre esteve à disposição dos profissionais sergipanos, contudo, em nosso processo eleitoral não há votação direta para cargos da Diretoria Executiva. Se vota para um grupo composto de 54 profissionais - chapa -, sendo 27 titulares e 27 suplentes. Após o grupo eleito, há votação entre titulares para composição da Diretoria Executiva”


JLPolítica - Quem pode se candidatar?
Sérgio Sobral - Em conformidade com a Lei 6.530/78 e o Decreto 81.871/78, que regulamentam a profissão, é elegível o corretor de imóveis que tenha inscrição principal a mais de dois anos, que esteja regular com o Conselho, inclusive com as obrigações financeiras, tanto pessoal quanto a empresa da qual eventualmente seja sócio. Mas exige-se que não tenha contra si processo administrativo-disciplinar julgado procedente, com sanção proferida por órgão colegiado do Creci de sua jurisdição, ou do Cofeci e com trânsito em julgado nos últimos cinco anos. É elegível o corretor que não tenha sido condenado a pena superior a dois anos em virtude de sentença com trânsito em julgado, esteja no pleno gozo de seus direitos profissionais, civis e políticos, que tenha votado na última eleição do Conselho, além de outras possíveis exigências contidas na resolução eleitoral.

JLPolítica - O senhor espera que índice de participação deles neste processo eletivo?
Sérgio Sobral -
Esse é um processo que sempre ocorreu de forma presencial, mas por causa da pandemia neste ano será totalmente online. Mesmo com essa novidade, e primando pela democracia e excelente representatividade da classe, esperamos uma maior participação que nos últimos processos.

JLPolítica - O senhor apresentará seu nome com a intenção de renovar o mandato?
Sérgio Sobral -
Meu nome sempre esteve à disposição dos profissionais sergipanos, contudo, em nosso processo eleitoral não há votação direta para os cargos da Diretoria Executiva. Isto é, na eleição se vota para um grupo composto de 54 profissionais - chapa -, sendo 27 titulares e 27 suplentes. Após o grupo eleito, há votação entre os titulares para composição da Diretoria Executiva - sete membros -, Conselho Fiscal - seis - e conselheiros federais - quatro.

Sérgio Sobral e sua confraria da praia: ele é de muitas amizades e de respeitar os perigos da Covid-19
AÇÕES CORPORATIVAS NUM ANO PANDÊMICO
“Apenas em 2020, com todo o rigor da crise sanitária e econômica, implementamos uma série de projetos na área do marketing digital como o Portal Imobiliário Creci para que corretores, gratuitamente, passassem a divulgar seus produtos, inclusive à nível internacional; o aplicativo i-Corretor para recadastramento e apresentação da carteira digital; o selo de avaliação digital”


JLPolítica - Que motivos o corretor de imóveis teria para reconfirmar o senhor e o seu grupo no comando do Creci-SE?
Sérgio Sobral - Como disse há pouco, a confirmação pelo corretor de imóveis será para o grupo. Quanto aos motivos, poderíamos citar inúmeros, mas vamos aqui destacar dois dos mais importantes dentre eles: o primeiro é a dedicação e o compromisso que nosso grupo tem tido para desempenhar um excelente trabalho de forma honorífica, e o segundo, por nosso grupo ter transformado um órgão com previsão tão somente para inscrição, fiscalização e disciplina profissional em um ambiente harmonioso e acolhedor aos profissionais, proporcionando-lhes instalações dignas, solenidades receptivas, orientações, ações sociais, planos para benefícios e, acima de tudo, qualificação profissional para a excelência no mercado imobiliário.

JLPolítica - O que mais o Creci-SE tem feito ao longo dos últimos anos pela classe de corretores de imóveis?
Sérgio Sobral -
Foram várias as ações que, se listadas aqui, tomariam todo o espaço desta Entrevista ou mais. Mas podemos salientar as seguintes: inicialmente, investimos na parte estrutural do Conselho com a reforma da sede original, a construção do auditório e do prédio anexo. Na sequência, investimos nos equipamentos, mobiliários, veículos e, principalmente no pessoal de retaguarda. Concluída essas etapas, intensificamos as ações de combate ao exercício ilegal da profissão na capital e interior do Estado, inclusive nomeando representantes - delegados - nos municípios com maior número de profissionais e desenvolvimento imobiliário; e a investir na qualificação profissional dos corretores de forma que, deste modo, temos propiciado aos profissionais sergipanos cursos presenciais e online, totalmente gratuitos, a participação em eventos regionais, nacionais e até internacionais. Também implantamos uma série de projetos que trouxeram benefícios para os profissionais e seus dependentes, como, por exemplo, o Clube do Corretor, onde firmamos parcerias com importantes instituições dos mais diversos segmentos capazes de ofertar descontos diferenciados para os profissionais e seus dependentes. 

JLPolítica - Neste ano tenso de 2020, por exemplo, o que foi feito de diferente?
Sérgio Sobral - Para se ter uma ideia, apenas em 2020, com todo o rigor da crise sanitária e econômica, por causa do isolamento social, implementamos uma série de projetos na área do marketing digital como o Portal Imobiliário Creci para que os corretores, gratuitamente, passassem a divulgar seus produtos, inclusive à nível internacional; o aplicativo i-Corretor para recadastramento e apresentação da carteira digital; o selo de avaliação digital; promovemos dezenas de cursos e palestras gratuitos online e, inauguramos a TV Creci Sergipe para a produção de conteúdos relevantes através de programação ao vivo e gravadas em nossos estúdios. Faltando ainda concluir, em fase final de aquisição, a compra de uma VAN que será usada no Creci Itinerante e a implantação da câmara de mediação e arbitragem.

“Capital e Grande Aracaju concentram a maior parte dos profissionais. Mas tem sido crescente o número no interior, com destaques para Itabaiana, Lagarto, Estância, Propriá e Glória”
DISTRIBUIÇÃO DO CORRETOR DE IMÓVEIS
“Nossa capital e a Grande Aracaju ainda concentram a maior parte dos profissionais inscritos. Mas, nos últimos anos tem sido crescente o número de profissionais no interior do Estado, principalmente nos maiores municípios e com desenvolvimento imobiliário, com destaques para Itabaiana, Lagarto, Estância, Propriá e Nossa Senhora da Glória”


JLPolítica - O corretor de imóveis é um profissional presente apenas em Aracaju ou ele se distribui por outras regiões do Estado?
Sérgio Sobral - Nossa capital e a Grande Aracaju ainda concentram a maior parte dos profissionais inscritos. Mas, nos últimos anos tem sido crescente o número de profissionais no interior do Estado, principalmente nos maiores municípios e com desenvolvimento imobiliário, com destaques para Itabaiana, Lagarto, Estância, Propriá e Nossa Senhora da Glória.

JLPolítica - O Creci de Sergipe contempla e agrega também o corretor de imóveis rurais?
Sérgio Sobral -
Corretor de imóveis é corretor de imóveis. Não o dividimos em urbano ou rural. Trata-se de segmentos, os quais requerem dedicação e especialização. Mas vislumbramos hoje a especialização em intermediação de imóveis rurais com propulsora para a profissão.

JLPolítica - O senhor vê no horizonte sinais de uma melhora no desempenho do mercado imobiliário? Esses sinais viriam de onde?
Sérgio Sobral -
Sim. Sempre acreditamos no mercado imobiliário. Se fizer uma análise, em todos os momentos de crise que já atravessamos, o mercado imobiliário teve sua grande parcela de contribuição para a superação. E é assim que continuaremos vendo-o, visto que esse mercado representa quase 20% do PIB e movimenta inúmeros segmentos. Contudo, do que estamos carentes é de políticas governamentais que incentivem ainda mais a construção civil e a redução de juros nas linhas de crédito para aquisição dos imóveis.

Sob o dengo e o afeto da filhona Manuela Silveira Freire Sobral, mãe de Sofia, de 8 anos
O CORRETOR E AS GARANTIAS DE PROTEÇÃO
“São basicamente, duas e por dois motivos. Primeiro, o corretor de imóveis é o único profissional habilitado e, constantemente capacitado para atuar no mercado. Segundo, por força de Lei, o Creci regulamenta e fiscaliza o trabalho desses profissionais”


JLPolítica - Que políticas seriam essas?
Sérgio Sobral - De uma maneira geral, são as políticas de liberação de crédito ou redução juros pela Caixa Econômica. O Sistema Cofeci/Creci tem sempre procurado contribuir com a elaboração dessas políticas. Hoje, no entanto, são os elevados preços dos insumos que estão inviabilizando muitas dessas políticas, a exemplo do fechamento do Programa Verde Amarelo do Governo Federal. No entanto, a nível local algumas ações poderiam ser adotadas. Tomando por base o mesmo exemplo, poderiam promover a redução de impostos para a aquisição desses insumos e, também, agilizar os processos em tramitação no SPU e incrementar as medidas de desburocratização dos processos.

JLPolítica - Qual é a garantia do consumidor de que mediado por um corretor de imóveis ele compra e vende melhor?
Sérgio Sobral -
São basicamente, duas e por dois motivos. Primeiro, o corretor de imóveis é o único profissional habilitado e, constantemente capacitado para atuar no mercado. Segundo, por força de Lei, o Creci regulamenta e fiscaliza o trabalho desses profissionais.

JLPolítica - Ainda é um problema para o Creci-SE a existência de corretores clandestinos?
Sérgio Sobral - Sim. Mas esse é um trabalho constante, não apenas do Creci, mas de todos os conselhos das profissões regulamentadas. Consideramos o contraventor como um problema grave que precisa ser erradicado. Desta forma, são constates não apenas as ações de fiscalização, mas também as educativas para alertar e conscientizar a população sobre a importância do profissional habilitado.

Força delas: Encontro Internacional da Mulher Corretora de Imóveis, em Aracaju, em 2019. Na foto, João Teodoro, presidente do Cofeci, e o empresário Faustinho Sobral
A PANDEMIA EXIGIU MAIS DA TECNOLOGIA
“Sabemos que essa pandemia impactou negativamente em quase todos os segmentos da vida e da economia. Mas com o mercado imobiliário foi mais brando, pelo menos é o que os números têm mostrado. Para os corretores, a pandemia serviu como reflexão e conhecimento de que a tecnologia é um grande aliado”


JLPolítica - Quais os cuidados que quem compra e quem vende tem de ter para aferir a legalidade de um corretor ou de uma corretora de imóveis?
Sérgio Sobral - Simples: basta solicitar a sua credencial e a prova de regularidade com o Conselho. Se ainda assim restarem dúvidas, no portal do Creci tem a relação de todos os profissionais regulamentados.

JLPolítica - Como está a questão de gênero entre estes profissionais? Esse mercado de trabalho é machista?
Sérgio Sobral -
Está bem e de maneira nenhuma é machista. Aproximadamente 40% dos profissionais são de corretoras. E esse percentual só tende a aumentar.

JLPolítica - A pandemia tem gerado que consequências para o mercado imobiliário?
Sérgio Sobral - Sabemos que essa pandemia impactou negativamente em quase todos os segmentos da vida e da economia do Brasil. Mas com o mercado imobiliário foi mais brando, pelo menos é o que os números têm mostrado. Para os corretores de imóveis, a pandemia serviu como reflexão e conhecimento de que a tecnologia é um grande aliado para fechamento de pequenos, médios e grandes negócios.

Sérgio Sobral tem uma relação de muita consideração, acolhida e de respeito com o Cofeci
A PANDEMIA EXIGIU MAIS DA TECNOLOGIA II
“A intermediação imobiliária não parou nessa pandemia. As famílias estão buscando imóveis mais amplos para unir moradia e trabalho - home office - e os corretores estão trabalhando para atendê-las. Muito embora saibamos que o mercado está melhor para o profissional qualificado e especializado em tecnologias”


JLPolítica - Então a ação imobiliária não parou nesse momento?
Sérgio Sobral - Não. A intermediação imobiliária não parou nessa pandemia. As famílias estão buscando imóveis mais amplos para unir moradia e trabalho - home office - e os corretores estão trabalhando para atendê-las. Muito embora saibamos que o mercado está melhor para o profissional qualificado e especializado em tecnologias.

JLPolítica - Como tem sido a integração entre o Creci-SE e o Cofeci?
Sérgio Sobral -
Tem sido a melhor possível, inclusive pelo fato de o presidente do Creci-SE compor a Diretoria Executiva do Cofeci, na condição de diretor-secretário.

JLPolítica - E isso gera o quê?
Sérgio Sobral - Isso tem oportunizando uma proximidade e uma integração do nosso Regional com o Conselho Federal, resultando em bons frutos para nossa classe profissional. Lembrando que o nosso presidente João Teodoro tem título de cidadão sergipano e com ele mantemos estreitos laços de amizade.

A cepa de Fausto Waldemar Dias Sobral e Vera Felizola Freire Sobral, os pais, está aqui se desdobrando
DA AJUDA QUE VEM DOS PARLAMENTOS
“Em Sergipe, Laércio Oliveira tem nos ajudado em ações como a reunião com a Secretaria do Patrimônio da União para a venda de imóveis da união pelos corretores. Também destacamos a participação do deputado estadual Luciano Pimentel, que é ainda corretor de imóveis, na audiência pública na Alese para discutir a PEC 108”


JLPolítica - Qual é a maior pauta, ou demanda, do Creci-SE hoje perante os poderes públicos nos três níveis?
Sérgio Sobral - Temos buscado, nos últimos anos, junto aos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário tudo que seja benéfico para o Creci-SE e para a classe profissional que ele representa. Anualmente, através do Cofeci, implantamos uma Agenda Legislativa que conta com 54 projetos em acompanhamento no Congresso Nacional. E é o deputado federal por Sergipe Laércio Oliveira o nosso presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Mercado Imobiliário.

JLPolítica - E em Sergipe, ele tem feito o quê?
Sérgio Sobral -
Em Sergipe, Laércio Oliveira tem nos ajudado em ações como a reunião com a Secretaria do Patrimônio da União para a venda de imóveis da união pelos corretores. Também destacamos a participação do deputado estadual Luciano Pimentel, que é ainda corretor de imóveis, na audiência pública na Alese para discutir a PEC 108 e em ações locais junto ao Governo Estadual e à Prefeitura de Aracaju com resultados positivos como a emissão da guia de ITBI pelos corretores, entre outras.

JLPolítica - Do que trata a PEC 108?
Sérgio Sobral -
Em resumo, a Proposta de Emenda à Constituição 108/19 foi laborada pelo Ministério da Economia e muda a configuração legal dos conselhos profissionais que hoje possuem natureza autárquica, o que lhes confere certas prerrogativas, como a impenhorabilidade de bens e rendas, passando a classificá-los como pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos atuando em colaboração com o Estado. O texto tramita na Câmara dos Deputados. Se aprovada, na forma original, os conselhos perderiam o poder de polícia, trazendo forte prejuízo para o mercado. Por causa disso, o deputado federal Laércio tem sido incansável em procurar corrigir essas distorções.

Sérgio Sobral: desde que comanda o Creci, chegou para uma intervenção e revolucionou
DAS AÇÕES QUE ESTÃO PODE SER REALIZADAS
“Durante todos esses anos, realizamos muito pela nossa categoria através do Conselho mas, como a sociedade é dinâmica, sempre teremos o que fazer. O nosso foco hoje se resume a poucas ações, mas de grande impacto. Nesse momento, poderia destacar cinco destas ações que ainda estamos por realizar”


JLPolítica - Sergipe tem poderes para, sozinho, abolir o impostos sobre o terreno de Marinha?
Sérgio Sobral - Essa não é uma luta localizada. O Brasil é o quinto maior país do mundo em extensão territorial, com 8.514.876 km2. O país possui um litoral com 7.367 km. O contorno da costa brasileira aumenta para 9.200 km se forem consideradas as saliências e reentrâncias do litoral. Em Sergipe, quem mais tem defendido essa questão é José Carlos Machado, que iniciou essa batalha ainda quando era deputado federal e é quem, ainda hoje, nos ajuda nessa questão.

JLPolítica - Qual é a ação do Creci sobre as punições do Ministério Público Federal e da Justiça às questões imobiliárias do Sul de Sergipe?
Sérgio Sobral -
O gerenciamento costeiro no Brasil tem a sua expressão a nível nacional no Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro, que busca assegurar em seu processo o funcionamento integrado das atividades costeiras, de forma compatível com a conservação dos valores naturais e culturais e os usos turísticos e recreativos. Só em 2019 Sergipe passou a ter uma legislação própria com a finalidade de assegurar ações que visam o desenvolvimento econômico em harmonia com o meio ambiente. A Lei 8.634/2019 institui o Plano e o Sistema Estadual de Gerenciamento Costeiro, publicada no Diário Oficial do Estado de Sergipe, pelo governador Belivaldo Chagas. Nós temos participado de várias ações, junto com o deputado estadual Luciano Pimentel, a exemplo de audiências públicas e reuniões com os órgãos competentes buscado adequar as ações do governo às singularidades da costa sergipana.

JLPolítica - Mas, finalmente, se o senhor for reconduzido à Diretoria Executiva para a condução do Creci-SE no triênio 2022 a 2024, o que faria que não foi possível fazer ao longo destes anos?
Sérgio Sobral -
Durante todos esses anos, como já aqui comentado, realizamos muito pela nossa categoria através do Conselho mas, como a sociedade é dinâmica, sempre teremos o que fazer. O nosso foco hoje se resume a poucas ações, mas de grande impacto. Nesse momento, eu poderia destacar cinco destas ações que ainda estamos por realizar: implantação de uma Câmara de Mediação e Arbitragem; ampliação do Clube do Corretor para ofertar mais vantagens aos profissionais; implantação do sistema de captação de energia solar; implantação do Creci Itinerante com Van plotada para divulgar e tirar dúvidas da população sergipana e funcionar como delegacia para ampliar as ações de fiscalização e a implantação dos processos administrativos e denúncias aleatórias.