Política & Negócios
Por Ascom/Fecomse | 06 de Out de 2020, 16h06
Fecomse busca agilizar fechamento da Convenção Coletiva dos trabalhadores lojistas
Mais uma rodada de negociação ocorreu na segunda-feira, 5
Compartilhar

Reunião entre representantes dos trabalhadores e do setor patronal lojista: data-base da categoria é em janeiro

A Federação dos Empregados no Comércio e Serviços do Estado de Sergipe - Fecomse - se reuniu com o setor patronal lojista em mais uma rodada de negociação para fechamento da Convenção Coletiva de Trabalho 2020. A reunião ocorreu na segunda-feira, 5, na sede clube dos dirigentes lojistas - CDL - em Aracaju.

A rodada de negociação contou com a participação do presidente da Fecomse, Ronildo Almeida; do assessor jurídico da Federação, Luan Almeida; do presidente do Sindicato dos Lojista de Sergipe, Gilson Figueiredo; do presidente da Associação dos Lojistas do Riomar Shopping, Paulo Escariz; e do presidente da Associação dos Lojistas do Shopping Jardins, Saulo Emídio Araújo.

Para o presidente da Fecomse, é necessário que o patronato agilize o fechamento da Convenção Coletiva dos trabalhadores e trabalhadoras lojistas, dada a defasagem da data-base da categoria, que é em janeiro.

 “Entendemos a situação pela qual passa o país - e o mundo - com a pandemia do coronavírus, mas é importante buscarmos alternativas conjuntas para garantir os direitos dos trabalhadores, a classe mais atingida nesse processo de pandemia. É importante esclarecer que esta negociação se refere às perdas salariais de 2019, são dívidas que o patronato do ramo lojista tem com trabalhador acumuladas no decorrer do ano passado”, avalia Ronildo Almeida.

Segundo o presidente da Fecomse, na reunião foi tratado outro ponto fundamental para os trabalhadores: a manutenção dos empregos, reforçando sempre as medidas de segurança no enfrentamento ao coronavírus, com a reabertura das atividades econômicas no Estado. “Temos que garantir todos os cuidados necessários aos trabalhadores e à população em geral, porque vida não tem preço”, reforça Almeida.

O dirigente sindical aproveitou a oportunidade para demonstrar a preocupação com as dificuldades enfrentadas pelo setor com a retração da economia durante a pandemia, que atingem, em especial, as micro e as pequenas empresas.

Nesse sentido, o presidente da Fecomse, após discussão com o senador Rogério Carvalho, PT, expôs ao empresariado a disposição do parlamentar sergipano em articular o Congresso Nacional e buscar com o Governo Federal medidas urgentes e efetivas que minimizem os efeitos negativos da crise sanitária e econômica para micro e pequenas empresas, como financiamentos especiais, por exemplo.

 “O senador Rogério Carvalho se propôs em retomar a discussão no Congresso projeto para estender, urgentemente, através do Governo Federal, o capital de giro para as micro e pequenas empresas, tendo como contrapartida a garantia da manutenção e da geração de empregos, fortalecendo, assim, o pequeno e micro empresário”, aponta Ronildo.

Esse e os demais pontos do processo de negociação para fechamento da Convenção Coletiva do setor lojista serão debatidos em mais uma reunião a ser agendada ainda esta semana. “Esperamos conseguir fechar a Convenção Coletiva e continuar discutindo propostas para manter os atuais e buscar novos empregos, garantindo os direitos da classe trabalhadora, a parte mais atingida nessa crise”, argumenta Ronildo Almeida.