ALIADOS
Por Ascom | 15 de Jan de 2018, 19h27
Secretaria de Inclusão Social e Alese definem projeto para usuários de drogas
Projeto defende trabalho conjunto da Inclusão Social, Saúde, Educação, Segurança Pública e sociedade civil
Compartilhar

Zezinho Sobral recebeu o deputado Samuel Barreto

Nesta segunda-feira, 15, a equipe técnica da Secretaria de Estado da Inclusão Social (Seidh) recebeu o deputado estadual capitão Samuel Barreto, presidente da Comissão de Segurança Pública na Assembleia Legislativa (Alese), para mais uma reunião sobre o Projeto de Prevenção e Acolhimento aos usuários de drogas em Sergipe. De acordo com o secretário Zezinho Sobral, as discussões com o parlamentar a esse respeito estão em andamento e a proposta é iniciar um trabalho conjunto de acolhimento entre o governo do Estado, a Alese e entidades organizadas, a partir de um diagnóstico abrangente. 

“O objetivo é fazer a radiografia de Sergipe, identificar o tamanho das questões, iniciar e fortalecer Políticas Públicas de acolhimento, ampliando a base e encaminhando pessoas. O assunto já tem sido discutido e aplicado nas áreas de Saúde e Segurança Pública. A temática precisa ser ampliada na área social identificando como e por que está acontecendo, e qual política social deve ser aplicada”, comentou. 

Segundo o gestor estadual, as drogas têm alterado o perfil de muitas pessoas, especialmente jovens, sendo responsável pelo aumento da violência e pelo desvio de muitos deles na projeção e construção social. Para que o projeto tenha êxito, é preciso o fortalecimento de um trabalho conjunto envolvendo Inclusão Social, Saúde, Educação, Segurança Pública e a sociedade civil. 

“O Estado pretende fazer um diagnóstico mais amplo para somar, de forma mais consistente, ao trabalho já realizado pelas organizações sociais. A Seidh será o elo de ligação para construirmos uma base sólida. Há necessidade de integrar o serviço e somar esforços. É preciso que a sociedade veja e compreenda isso. Pretendemos construir e lançar o edital. Para apoiar as entidades organizacionais que cuidam da assistência, precisamos estar de acordo com o marco regulatório, que é a nova lei que rege as novas entidades não governamentais”, destacou Zezinho Sobral, complementando que, a expectativa é concluir o edital em fevereiro.

“Esperamos concluir o edital para encaminhar ao parecer da Procuradoria Geral do Estado (PGE), que valida. Assim, queremos lançar os editais para fazer quatro eixos principais, um deles para diagnosticarmos o tamanho do problema a ser enfrentado; outro para trabalhar a assistência, apoiando as entidades já atuantes. Haverá, ainda, mais dois eixos para a construção de Políticas Públicas, no que se refere às definições mais técnicas do processo. O diagnóstico é importante para termos a consciência do que precisamos fazer. É o primeiro passo”, ressaltou Zezinho Sobral. 

Em recente postagem nas redes sociais, o deputado estadual capitão Samuel Barreto informou que “Sergipe tem, hoje, cerca de 22 mil dependentes de crack, 88 mil de cocaína e outras drogas, o que significa mais que 5% da população. Dos R$ 21 milhões devolvidos do orçamento  da Alese, a presidência da Alese orientou o Governo do Estado que  usasse  o valor de R$ 2 milhões para o Programa de Prevenção às Drogas”.

“Há um projeto para Sergipe integrar de forma transversal todas as Políticas Públicas voltadas à prevenção das drogas e a violência. As famílias sergipanas estão sofrendo com a influência das drogas de muitas de formas: quando tem um dependente dentro da família e quando são vítimas das ações de outros para manter o vício”, declarou o parlamentar.