INGÊNUO
Por PODER360 | 02 de Set de 2017, 11h51
Joesley afirma que não percebia que era criminoso
‘Essa palavra [corrupção] eu aprendi agora’, afirma delator. Empresário relatou encontros com políticos em entrevista à Veja
Compartilhar

O empresário Joesley Batista, delator do FriboiGate

PODER360 
01.set.2017 (sexta-feira) - 14h36
atualizado: 01.set.2017 (sexta-feira) - 14h48

O empresário Joesley Batista, 1 dos sócios da JBS, afirmou em entrevista à revista Veja publicada nesta 6ª feira (1º.set.2017) que se reconheceu como criminoso após investidas da Justiça sobre sua companhia. Para ele, a empresa havia cometido apenas sonegação de impostos:

“Pode ser crime de caixa 2, de evasão de divisas, crimes empresariais, crimes que as empresas cometem, quer dizer, que eu cometia, pelo menos. Mas isso a gente não encarava como crime. Na nossa lógica, no máximo, a gente tinha sonegado 1 imposto”, afirmou.

Segundo Joesley, a palavra “propina” só ganhou sentido para ele depois de encarar o MPF (Ministério Público Federal). O empresário fechou acordo de delação. Entregou como provas gravações de diálogos com o presidente Michel Temer, denunciado por corrupção passiva a partir do conteúdo da delação do empresário.

“Essa palavra eu aprendi agora, no Ministério Publico. Eu falava ‘ajuda’. “Vou dar uma ajuda, um apoio e tal”, declarou.

‘TEMER PEDIA DINHEIRO MESMO’

Questionado se o presidente Michel Temer pedia essa ajuda, Joesley afirmou que o presidente “sempre foi muito direto”:

“Temer sempre foi muito direto, ele pedia dinheiro mesmo”.

O empresário citou exemplos da convivência com políticos de Brasília. Mas, segundo Joesley, as tratativas de “coisas erradas” não eram com pessoas, e sim com os cargos:

“No Ministério da Fazenda, eu não tratava com Guido Mantega, e sim com o ministro da Fazenda, e ele estava tratando comigo de coisa errada. Repito: estive no Palácio com a Dilma, na mesa redonda dela. Não foi com a Dilma, foi com a presidente da República. Falando de coisa errada. Assim como eu não gravei o Temer, eu gravei o presidente da República”, disse.

Ele relembrou 1 episódio em que teria entregue “coisa de R$ 1 milhão” ao ex-deputado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

“Ele vinha de carro, os seguranças ficavam lá fora. Tinha uma sala, a gente entrava, subia para uma sala de reuniões. Muitas vezes ele vinha com uns assessores pessoais, e esses assessores transferiam o dinheiro da minha mala para a mala deles”, disse, completando:

“Coisa de R$ 1 milhão, não passava disso”, afirmou.

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.