YoutubeFacebookTwitterInstagram
Eleições 2018
Por | 16 de Set de 2018, 17h43
Em carta, Iran Barbosa e Ângela Melo denunciam perseguição da coligação "Pra Sergipe Avançar"
"Querem calar a nossa voz, mas somos sementes", dizem os petistas
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
3d27782bca989025

Iran Barbosa, Ana Lúcia, deputada estadual; e Ângela Melo: "Preciso demais desabafar..."

"Sergipanos e sergipanas,

Uma eleição para a escolha das pessoas que nos representarão nos espaços de decisão coletiva é, acima de tudo, uma conquista democrática. E o período da campanha eleitoral é uma oportunidade de diálogo, de aproximação, de contato entre candidatos e eleitores.

É um momento em que os candidatos podem apresentar suas ideias, propostas e projetos. É também um momento em que os cidadãos e cidadãs podem conhecer, questionar, simpatizar, criticar as ideias, propostas e projetos dos candidatos.

Uma das principais formas de aproximação entre as ideias dos candidatos e os desejos e necessidades do povo, especialmente a grande parcela da população que ainda não está conectada à internet, é através da propaganda eleitoral no rádio e na televisão. É a partir dos programas de rádio e TV que muitas pessoas escolhem em quem votar ou tomam o primeiro contato com o seu futuro candidato.

É por reconhecer a importância da propaganda de rádio e TV para o debate de ideias que, através desta carta, vimos tornar público que a coligação “Pra Sergipe Avançar” proibiu que nós, Iran Barbosa e Professora Ângela Melo, continuássemos dialogando diretamente com cada cidadão e cidadã de Sergipe através do rádio e televisão.

O motivo apresentado foi uma chantagem: deveríamos, ao final de todas as nossas aparições no rádio e televisão, pedir votos para o candidato da coligação ao Governo do Estado, Belivaldo Chagas.

A nossa resposta foi transparente, como sempre foi a nossa atuação pública: não pediremos voto para partidos que, ao apoiarem a retirada de Dilma da Presidência e a prisão de Lula, fizeram o Brasil retroceder décadas em seus avanços democráticos e nos direitos das trabalhadoras e trabalhadores. Além do mais, estivemos nas ruas denunciando os graves problemas do governo de Sergipe nas áreas de educação, saúde, assistência social e segurança pública, sendo que participamos ativamente das lutas contra a política de arrocho salarial dos servidores públicos, o parcelamento e pagamento atrasados aos aposentados, além da total destruição da carreira dos professores e professoras.

Se fizéssemos diferente e, aceitando a proposta da coligação, pedíssemos voto para o candidato a governador estaríamos mentindo para as sergipanas e sergipanos. E isso seria um crime contra as nossas consciências e uma irresponsabilidade com as cidadãs e cidadãos do nosso estado.

Somos do mesmo grupo político da deputada Ana Lúcia. Nesses 16 anos em que representa o povo de Sergipe na Assembleia Legislativa, Ana Lúcia sempre foi fiel ao seu compromisso não com governos, mas com cada trabalhadora e trabalhador, com os desempregados e desempregadas, com as comunidades tradicionais quilombolas, ribeirinhas, de pescadores e pescadoras, com os camponeses, camponesas e pequenos/as agricultores/as. Por isso, Ana Lúcia já foi vítima de diversos boicotes, como estamos sendo agora. Mas, independente disso, a população sergipana sempre reconheceu a sua importância como representação da sua voz no Legislativo. Temos certeza que, também neste caso, as sergipanas e sergipanos saberão reconhecer o que está em jogo.

Entre sermos subalternos a interesses mesquinhos da coligação “Pra Sergipe Avançar” ou sermos honestos com o povo de Sergipe, não temos dúvidas do caminho a seguir: ficamos com o povo.

Deixa, deixa, deixa eu dizer o que penso dessa vida, preciso demais desabafar...

Sergipe, 16 de setembro de 2018.

Iran Barbosa 13900 – Candidato a deputado estadual

Professora Ângela Melo 1390 – Candidata a deputada federal"